Número um do mundo, Andy Murray fará a final com Novak Djokovic (Divulgação/ATP)

Andy Murray deu continuidade ao momento espetacular que vive no circuito profissional ao vencer o checo Tomas Berdych por 2 sets a 0, com parciais de 6/3 e 6/4, nesta sexta-feira (6), e garantir vaga na decisão do Torneio de Doha.

Desta forma, o tenista britânico, líder do ranking mundial, aumentou para 28 o seu número de vitórias consecutivas e agora buscará o seu sexto título seguido após triunfar, pela ordem, no ATP 500 de Pequim, no Masters 1000 de Xangai, no ATP 500 de Viena, no Masters 1000 de Paris e no ATP Finals.

E o rival na decisão deste sábado será ninguém menos do que Novak Djokovic, vice-líder do ranking mundial, que horas mais cedo sofreu muito para superar o espanhol Fernando Verdasco, de virada, na outra semifinal na competição realizada no Catar.

Murray e Djokovic, por sinal, terminaram o ano passado duelam pelo posto de número 1 do mundo justamente na decisão do ATP Finals, em novembro, quando pela primeira vez o jogo que encerrou uma temporada também definiu entre os dois tenistas envolvidos no confronto quem fecharia o ano como líder do ranking.

Para se garantir em mais uma decisão contra Djokovic, Murray teve uma atuação segura no primeiro set contra Berdych nesta sexta. Além de confirmar todos os seus saques sem oferecer chances de quebra, converteu um de três break points para abrir a vantagem inicial de 6/3.

Já na segunda parcial, o checo até conseguiu conquistar uma quebra de serviço, mas o britânico foi eficiente nos dois break points cedidos pelo adversário para liquidar a partida em 6/4, após 1h41min de confronto.

Essa foi a 11ª vitória de Murray em 17 confrontos com Berdych, hoje o décimo colocado do ranking mundial, que agora também acumula sete derrotas consecutivas para o escocês no circuito profissional – apenas no ano passado foram três, sendo duas delas em Masters 1000 (Madri e Paris) e uma outra em Wimbledon.