Thiago Wild em ação durante o Brasil Open. (Gasper Nóbrega/DGW Comunicação/Divulgação/Brasil Open)

A estreia do paranaense Thiago Wild, de apenas 17 anos, em uma chave principal de um torneio da ATP começou promissora, mas ele não conseguiu manter o nível até o final e foi derrotado de virada, na primeira rodada do Brasil Open, pelo experiente argentino Carlos Berlocq, de 35, por 2 sets a 1 – com parciais de 3/6, 6/3 e 6/2, após 2 horas e 14 minutos.

Convidado da organização, Thiago Wild mostrou um tênis agressivo do começo ao fim e deu bastante trabalho a Carlos Berlocq. “Acho que comecei a partida em uma intensidade muito alta, num ritmo de jogo que normalmente não estou acostumado, é um patamar que ainda pretendo alcançar. Tenho mais tênis do que alguns jogadores que estão aqui, mas a parte física ainda fica um pouco para trás. Tenho que aprender a lidar com certos momentos e estipular os que são importantes e os que não valem tanto”, avaliou o brasileiro.

O próximo adversário de Carlos Berlocq será o compatriota Leonardo Mayer, que mais cedo superou o português Gastão Elias por 2 sets a 1 – com parciais de 5/7, 7/6 (12/10) e 7/6 (7/5), em quase três horas de partida. Os dois argentinos já se enfrentaram três vezes, com duas vitórias para Berlocq.

E não foi na estreia do Brasil Open, torneio ATP 250 disputado no Complexo do Ibirapuera em São Paulo, que o tenista mineiro André Sá, veterano de 40 anos, encerrou a sua carreira profissional. Nesta segunda-feira, ao lado de Thomaz Bellucci, venceu a dupla formada pelo monegasco Romain Arneodo e pelo croata Antonio Sancic por 2 sets a 0 – com parciais de 7/6 (7/2) e 6/3, em 1 hora e 15 minutos.