Estadão-9

O meia Renato Augusto se apresentou à seleção olímpica comemorando ter conseguido algo que não mais esperava: disputar uma Olimpíada. O jogador de 28 anos chegou cansado ao hotel em que a equipe ficará hospedada em Goiânia – local do amistoso do sábado contra o Japão -, mas ao mesmo tempo empolgado pela oportunidade com a qual já não contava.

“Era algo que já nem passava pela minha cabeça, por já ter passado da idade. Mas era um sonho que eu tinha e um momento ainda mais especial, podendo chegar numa final e jogar na minha cidade, em que sou nascido e criado, no bairro em que sou nascido e criado (Tijuca, onde fica o Maracanã, palco da final olímpica). Então com certeza tem um gosto muito especial”, disse o jogador do Beijing Guoan.

Apesar de se juntar ao grupo dez dias depois do início dos treinamentos, Renato Augusto diz ter conhecimento de tudo o que vem sendo trabalhado pelo técnico Rogério Micale. “Eu recebo pelo telefone (as orientações sobre os treinamentos feitos a cada dia são passadas pelo aplicativo WhatsApp). A gente tem de aproveitar a tecnologia. Não é a mesma coisa que estar em campo, mas pelo menos eu não vou sair do zero”, salientou o meia.

Ele garante estar “muito bem” fisicamente, pois continua treinando forte – “muito mais do que eu treinava aqui” – e tem feito muitos jogos seguidos pelo time chinês. Jogador de grande visão tática, ele pretende compensar o fato de não estar treinando com os companheiros desde o início com conversa e muita atenção nos treinos. “E vou usar o que eu tenho de melhor do que a parte tática”, encerrou.