Por Agência Brasil 

Bárbara . (Ricardo Stuckert/CBF)

Bárbara e Marta se abraçam depois da classificação brasileira. (Ricardo Stuckert/CBF)

Ao defender dois pênaltis, a goleira Bárbara se tornou a heroína na classificação da seleção brasileira para as semifinais das Jogos Olímpicos Rio 2016. Por muito pouco, a Austrália não superou o Brasil. Quando Marta errou o quinto pênalti, as adversárias ficaram a um gol da vitória. Mas a goleira brasileira operou um milagre ao pegar a cobrança de Gorry.

Para Bárbara, o erro da melhor jogadora da seleção e eleita cinco vezes consecutiva melhor jogadora de futebol feminino do mundo pela Fifa, aumentou sua responsabilidade. “A Marta não podia ser injustiçada. Ela é extraordinária e não seria correto ela ser julgada por esse episódio. Eu soube extrair forças para evitar essa situação e fui muito feliz naquele momento”, disse.

A goleira disse que seu mérito deve ser dividido com o restante do grupo. “As meninas foram perfeitas. Se não fossem os sete gols, nós também não teríamos conseguido”, disse. A disputa de pênaltis terminou em 7 a 6. Além da cobrança de Gorry, Bárbara evitou também o gol de Kennedy.

O técnico Vadão destacou a importância da seleção permanente. No ano passado, as atletas foram contratadas pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para se dedicarem exclusivamente à equipe nacional até as Olimpíadas. “Nós só vencemos esse jogo porque tivemos condições físicas de suportar 120 minutos. Nossos adversários estão acostumados a treinar forte e nós não tínhamos essa intensidade de jogo. Precisávamos de muito tempo para trabalhar a questão física e a seleção permanente nos possibilitou isso”, disse.