Por Pedro Melo 

Curitiba está no pódio nos Jogos Olímpicos. A curitibana Ágatha e Bárbara Seixas tiveram dificuldade com o forte vento em Copacabana, não conseguiram repetiram o desempenho impecável das semifinais, perderam para as alemãs Ludwig e Walkenhorst por 2 sets a 0, com parciais de 21-18 e 21-14, mas conquistaram a medalha a quinta medalha de prata para o Brasil.

Ágatha e Bárbara perderam apenas uma partida na Olimpíada. (Divuglação/CBV)

Ágatha e Bárbara tiraram a invencibilidade da tricampeã Walsh na semifinal. (Divuglação/CBV)

A campanha das brasileiras começaram com duas vitórias sobre Hermankova/Sluckova e Gallay/Klug e uma derrota na última rodada da fase de grupos para as espanholas Lilliana/Elsa. Já nas oitavas de final, uma vitória em dois sets sobre as chinesas Wang e Yue e o placar foi repetido nas quartas diante das russas Birlova e Ukolova.

Entretanto, a grande atuação aconteceu na semifinal contra as americanas Walsh, tricampeã olímpica, e Ross, medalhista de prata em Londres, em partida que Ágatha e Bárbara não deram chances para as adversárias e o triunfo também em aconteceu sem perder sets.

Desde que entrou no calendário olímpico, em Atlanta 1996, o Brasil só ficou de fora do pódio em Pequim 2008, mas não conquista o ouro justamente desde a participação inaugural com Jacqueline e Sandra Pires que derrotaram Mônica e Adriana Samuel na final.

Conheça a carreira da medalhista olímpica Ágatha nas areias:

A dupla brasileira ganhou o Mundial em 2015. (Divulgação/FIVB)

A dupla brasileira ganhou o Mundial em 2015. (Divulgação/FIVB)

Ágatha Bednarczuk começou a praticar vôlei em 1992, na cidade de Paranaguá, onde foi criada, e iniciou sua carreira nas areias em 2001. Porém, sua carreira passou a progredir somente quatro anos, quando formou dupla com a multi campeã Sandra Pires e foi eleita a revelação do Circuito Banco do Brasil de 2005.

A parceria com Bárbara Seixas surgiu somente em 2012 e as duas ganharam uma etapa do circuito sul-americano, além de outras três no circuito brasileiro. No fim do ano, a dupla foi desfeita já que a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) é quem definia as duplas no momento da convocação e Ágatha passou a jogar com Maria Elisa nos torneios internacionais.

Ágatha e Bárbara Seixas voltaram a jogar juntas após a mudança de critério para definir as duplas e passaram a obter os melhores resultados da carreira. O ápice foi no ano passado com a conquista do Campeonato Mundial e a curitibana ainda foi eleita a MVP (melhor jogadora) da competição.

Larissa e Talita perdem na disputa da medalha de bronze

O Brasil poderia ter dois duplas no pódio, mas Larissa e Talita perderam a disputa da medalha de bronze para Walsh e Ross por 2 sets a 1, com parciais de 17-21, 21-17 e 15-9. Walsh ganhou a quarta medalha em Jogos Olímpicos e a primeira que não é de ouro, enquanto, Ross tem uma prata conquistada na edição passada.