O atleta Maurim Vieira de Souza, do Paranavaí, ameaçou o assistente Alessandro Michel de Oliveira Domiciano depois que o mesmo marcou a penalidade máxima a favor do Independente São-Joseense aos 49 minutos do segundo tempo.

De acordo com a súmula do árbitro João Paulo Romano Queiroz, o lateral afirmou que era membro da organização criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) e iria matar o assistente. “Seu ladrão, safado, você tem que voltar esse pênalti, eu sou do PCC e vou colocar o revólver na sua boca e vai sentir o gosto da bala”, disse. “Eu vou te pegar lá fora, seu vagabundo, vou te esperar lá”.

Queiroz ainda relatou que foi ofendido pelo diretor do Paranavaí, Ramalho Santos. “Você nunca mais vai bandeirar na sua vida seu vagabundo, estava impedido, levanta essa porra, a gente trabalha a semana toda para você fazer essa m****”, afirmou. O dirigente teria esperado a arbitragem no túnel de acesso para ofende-los.

Ainda na súmula foi informado que o ACP não pagou as taxas de deslocamento e da arbitragem. Os valores estão previstos no regulamento.