Cianorte perdeu por 4 a 0 no agregado. (Divulgação/Internacional)

Sem maiores sustos, o Internacional garantiu vaga na quarta fase da Copa do Brasil nesta quarta-feira. No Paraná, o time gaúcho repetiu o placar da ida diante do Cianorte, venceu por 2 a 0 e deu mais um passo em busca de seu segundo título da competição, o primeiro desde 1992.

O time da casa até começou melhor e chegou a sonhar com um resultado diferente, mas viu os contra-ataques do Inter, quase sempre puxados por Marcinho, serem fatais. Patrick e D’Alessandro, que ainda perdeu um pênalti, marcaram os gols da vitória.

Agora, o Inter volta as atenções para o Gre-Nal das quartas de final do Campeonato Gaúcho. Neste domingo, visita o Grêmio na Arena. Já na quarta-feira, os rivais voltam a se enfrentar no Beira-Rio.

Empurrado pelos gritos de “eu acredito” da torcida, o Cianorte se lançou ao ataque nos primeiros minutos nesta quarta e assustou o Inter. Logo com um minuto, Morelli aproveitou sobra na intermediária e emendou de primeira, rente ao travessão. Aos seis, Richarlyson bateu cruzado, mas Marcelo Lomba defendeu.

O Cianorte tinha a posse de bola e ocupava o campo de ataque, mas sofria com a falta de criatividade e limitava-se a tentar de longe. Aos 13, André Luis tentou e jogou perto. Aos 22, foi a vez de Rafael Carrilho assustar.

Ao Inter, bastava um contra-ataque encaixado, que saiu aos 28 minutos. O time deixou a defesa em velocidade, Marcinho recebeu na intermediária e tocou para Roger. O atacante ajeitou na área e foi puxado quando finalizaria: pênalti. D’Alessandro cobrou no canto esquerdo e João Gabriel voou para espalmar.

O lance embalou o Cianorte, que quase abriu o placar aos 33, mas Xavier perdeu grande chance na área. O Inter, por sua vez, não desperdiçaria o segundo bom contragolpe que teve. Aos 38 minutos, o mesmo Marcinho recebeu pelo meio, arrancou e abriu na esquerda com Patrick, que dominou e bateu cruzado para abrir o placar.

Em desvantagem, o Cianorte desanimou e voltou para o segundo tempo sem o mesmo embalo. Se ainda mantinha a posse de bola, não assustava e permitia que o Inter conectasse os perigosos contra-ataques. Aos seis minutos, Marcinho, novamente, foi o responsável por arrancar e servir D’Alessandro, que errou por pouco. Aos 17, foi a vez de Brenner errar na finalização.

Estava fácil para o Inter e para Marcinho, que aos 20 minutos tentou o toque para Brenner e viu Feliphe Gabriel acertar a própria trave. Mas apenas três minutos depois, Patrick foi o responsável pela boa jogada, pela esquerda, e cruzou para D’Alessandro, que emendou de primeira e marcou, selando o placar