Benzema comemora um dos gols da classificação. (Divulgação/Real Madrid)

Em uma partida à altura da grandeza de Real Madrid e Bayern de Munique, espanhóis e alemães empataram por 2 a 2 nesta terça-feira, no estádio Santiago Bernabéu, em Madri. Melhor para o Real, que, após ter vencido o jogo de ida da semifinal por 2 a 1, em Munique, garantiu vaga à final da Liga dos Campeões da Europa pela terceira vez consecutiva.

Mais uma vez finalista, o Real Madrid, maior vencedor do principal torneio de clubes da Europa, busca a 13.ª conquista e aguarda o vencedor de Roma x Liverpool, que será nesta quarta-feira, para saber quem enfrentará – no primeiro jogo, os ingleses venceram por 5 a 2. A grande decisão está marcada para o próximo dia 26, no estádio Olímpico de Kiev, na Ucrânia.

Dois personagens foram fundamentais para a classificação do time merengue e nenhum deles é Cristiano Ronaldo. O astro português, mais uma vez bem marcado, pouco fez, mas viu o companheiro de ataque Karim Benzema brilhar. Aposta de Zidane para substituir Isco, machucado, o centroavante francês de origem argelina contou com falhas defensivas do adversário para fazer os dois gols do time espanhol e chegar à marca de 54 gols no torneio europeu, se consolidando como o sexto jogador que mais marcou na competição.

Outro jogador fundamental à classificação do time do técnico francês Zinedine Zidane foi o goleiro Keylor Navas. Algumas vezes criticado, o costa-riquenho fechou o gol, especialmente no segundo tempo, e impediu que a equipe alemã vencesse o jogo. O Bayern de Munique poderia tido melhor sorte se não fosse a não marcação de um pênalti de Marcelo ao tocar a bola com o braço no final da primeira etapa e a falha grotesca do goleiro Ulreich, que gerou o segundo gol do Real Madrid nos primeiros segundos da etapa final.

O JOGO – Assim como na Alemanha, o Bayern de Munique começou a partida com superioridade e não demorou a abrir o placar. O lateral-direito Kimmich, que já havia marcado na partida da ida, fez de novo. Desta vez, logo aos dois minutos, quando apareceu sozinho dentro da pequena área e aproveitou a falha de Sérgio Ramos para completar para o gol.

O empate veio nove minutos depois. Aposta de Zidane, que preferiu escalar o francês e deixar o galês Gareth Bale no banco de reservas, Benzema recebeu cruzamento de Marcelo na segunda trave e, sem marcação em razão do cochilo de Alaba, pôde cabecear tranquilamente para empatar a partida.

O gol sofrido não desanimou o Bayern de Munique, que seguiu ligeiramente melhor no jogo. Pelo lado esquerdo, James Rodriguez, Ribery e Alaba comandaram as principais ações ofensivas do time alemão e acuaram os anfitriões, mas não conseguiram retomar o comando do placar.

A melhor oportunidade para voltar a ficar à frente do marcador envolveu três finalizações em um lance. No final da primeira etapa, Lewandowski chutou cruzado para a boa defesa de Navas. No rebote, Muller cabeceou para a área e James Rodriguez finalizou por cima do gol, desperdiçando grande chance.

A falta de atenção e as falhas podem ser fatais em jogos decisivos. E foi. No caso, o jovem goleiro Ulreich, que substitui Neuer, machucado, saiu muito mal do gol após recuo de Tolisso, deixando a bola passar limpa para Benzema, com o gol livre, virar o placar nos primeiros segundos dos últimos 45 minutos.

Novamente atrás do placar, o time do técnico Jupp Heynckes não se entregou facilmente e se lançou ao ataque, pressionado o rival espanhol com as armas que podia. Conseguiu a igualdade com James Rodríguez, aos 17 minutos. O colombiano, ex-jogador do Real Madrid, ficou com a sobra na área e chutou por debaixo de Navas dar contornos de drama aos minutos que viriam pela frente. Ele não comemorou o gol contra o ex-time.

Com o placar empatado e a um gol de se ver fora da decisão, o Real Madrid se viu acuado e mexeu para suportar a pressão dos alemães. Zidane mandou a campo Nacho Fernández e o brasileiro Casemiro para fortalecer o sistema defensivo. Gareth Bale também entrou a fim de dar novo fôlego em campo.

As alterações foram boas, mas quem salvou de fato o time merengue foi Navas. O goleiro defendeu as finalizações de Tolisso e Muller de dentro da área e, ao lado de Benzema, foi o principal responsável por segurar a pressão alemão e colocar o Real Madrid em mais uma decisão de Liga dos Campeões.