Durou apenas alguns meses a aposentadoria de Felipe Massa da Fórmula 1. Nesta segunda-feira, confirmando os rumores das últimas semanas, a Williams anunciou que o brasileiro será um dos seus pilotos na temporada 2017, substituindo o finlandês Valtteri Bottas, que foi liberado para acertar com a Mercedes.

A Williams explicou que Massa assinou contrato válido por uma temporada. Assim, vai competir pelo quarto ano consecutivo pela Williams, equipe que havia deixado ao fim do último campeonato, com uma emocionante despedida no GP do Brasil, a penúltima prova do calendário – ele ainda participaria da corrida final do campeonato, em Abu Dabi.

(Foto: Divulgação)

A escolha de Massa é uma aposta da Williams na experiência. Afinal, a equipe havia escolhido o canadense Lance Stroll, de apenas 18 anos e que fará a sua estreia na Fórmula 1 em 2017, para sucedê-lo. Mas tudo mudou com a surpreendente decisão do alemão Nico Rosberg de deixar a Fórmula 1 após conquistar o título da temporada 2016.

A Mercedes, então, equipe dominante da Fórmula 1 nos últimos anos, precisou buscar um substituto para Rosberg e decidiu apostar em Bottas para ser o novo companheiro de equipe do inglês Lewis Hamilton. Assim, a Williams ficou um dos seus assentos livres.

Com um novato no seu outro carro, a equipe decidiu apostar em um dos nomes mais experientes da Fórmula 1 para uma temporada em que os carros passarão por mudanças grandes em razão das alterações no regulamento técnico. E conseguiu convencer o brasileiro a deixar a sua breve aposentadoria para seguir no grid.

“Em primeiro lugar, estou muito feliz por ter uma oportunidade de voltar para Williams. Eu sempre quis correr em algum lugar em 2017, mas a Williams é uma equipe próxima ao meu coração e tenho respeito por tudo o que está tentando alcançar. Valtteri tem uma grande oportunidade diante dos acontecimentos durante o inverno (europeu), e desejo-lhe tudo de melhor na Mercedes”, afirmou Massa, em comunicado oficial divulgado pela Williams.

Massa garantiu que a decisão, agora deixada de lado de deixar a Fórmula 1, não diminuiu o seu estímulo de seguir no automobilismo, e destacou que o apoio dos torcedores nas últimas semanas diante do iminente retorno às pistas aumenta sua vontade de brilhar na temporada 2017.

“Quando me ofereceram a chance de ajudar a Williams na sua campanha na Fórmula 1 em 2017, senti que era a coisa certa a se fazer. Eu certamente não perdi nada do meu entusiasmo para correr e estou extremamente motivado para voltar a conduzir o FW40. O apoio dos meus fãs nas últimas semanas tem sido um enorme impulso e estou grato por isso. Também estou ansioso para trabalhar com Lance. Eu o conheço há muitos anos e vi seu talento se desenvolver durante esse tempo, então estou ansioso para ver o que podemos conseguir juntos”, acrescentou o brasileiro.

Massa fez a sua estreia na Fórmula 1 em 2002 pela Sauber, tendo ficado fora do campeonato de 2003. Assim, a temporada 2017 será a 15ª do brasileiro na principal categoria do automobilismo mundial. E o seu acerto assegura a permanência do Brasil no grid da Fórmula 1 por mais um ano – Felipe Nasr perdeu a sua vaga na Sauber, só restando como opção a Manor, que pode até deixar o campeonato em razão de graves problemas financeiros.

“Felipe sempre foi um membro muito amado da família Williams, e ter a oportunidade de trabalhar com ele de novo é algo que todos esperávamos. Ele seguiria correndo em algum lugar em 2017, pois ele não perdeu esse espírito competitivo, e foi importante que conseguimos um substituto forte, a fim de deixarmos Valtteri ir. O retorno de Felipe nos dá estabilidade, experiência e talento para ajudar a nos levar para a frente. Ele é um grande trunfo para nós”, disse Claire Williams, vice-chefe da equipe inglesa.