Invicto há 27 partidas. O número é expressivo e reflete uma das melhores fases do Coxa nos últimos tempos. A vítima da rodada foi o Arapongas, que teve um jogador a mais desde os 17 minutos do primeiro tempo, quando Rafinha foi expulso depois de agredir um jogador do visitante. A vantagem numérica, porém, não foi suficiente para segurar a “Máquina Alviverde”. O time de Marcelo Oliveira não tomou conhecimento do adversário e venceu o confronto por 2 a 0, no Couto. Marcos Aurélio foi o destaque da partida: marcou os dois gols da vitória, assumiu a artilharia do estadual e distribuiu passes precisos durante todo o jogo.

O resultado não só garantiu ao Verdão a liderança isolada do estadual, como confirmou a quebra de recordes importantes na história do clube. Agora são 27 jogos sem perder no Paranaense e a 11ª vitória seguida no campeonato de 2011, repetindo a campanha de 1947 e 48. Estatísticas de um time que vem arrasando os adversários na temporada e caminha a passos largos para o título.

Arbitragem questionável
Os primeiros minutos de poucas jogadas não refletiram o que foi o restante da etapa inicial da partida entre Coxa e Arapongas. Depois de ver Anderson Aquino desperdiçando uma chance incrível diante da meta do Arapongas, Rafinha perdeu a cabeça depois de disputa de bola com Wellington. Irritado, o meia acertou um soco no jogador, foi visto pelo árbitro e expulso de campo, aos 17.

Com um a menos, o Coxa não se abateu e tentou com Aquino, que entrou em velocidade depois do lançamento de Marcos Aurélio. A zaga do Arapongas percebeu o perigo e só conseguiu parar o atacante com falta, dentro da área: o juiz não teve dúvidas em marcar a penalidade para o grupo coxa-branca. Na cobrança, Marcos Aurélio converteu e abriu os números para o Verdão, aos 24. O gol foi o reflexo de uma equipe superior em campo e que, mesmo após abrir a vantagem, soube se fechar sem deixar de partir para o ataque.

Wellington foi o destaque do time do interior e, sempre que entrava, era veloz e batia com perigo na bola. Edson Bastos teve trabalho aos 27 minutos e aos 38, quando o meia chutou firme na tentativa do empate. O jogo ganhou em velocidade, mas a arbitragem assumiu o destaque nos minutos finais. Aos 44, Marcelo Oliveira foi expulso depois de reclamar com o quarto árbitro. O trio de arbitragem, comandado por Rodolpho Toski Marques, teve que sair de campo sob escolta policial e aos gritos de “vergonha” da torcida.

Noite iluminada de Marcos Aurélio
Para o time de Marcelo Oliveira, a desvantagem em número de jogadores em campo não resultou em postura defensiva. Pelo contrário, o time se lançou ao ataque logo aos 2 minutos, na jogada individual de Léo Gago, que bateu forte e forçou Danilo a defender em dois tempos. A arbitragem, já carregada por marcações duvidosas no primeiro tempo, manteve a postura polêmica na volta final: agredido fora do lance, Léo Gago reclamou de agressão, mas o árbitro, de costas, nada marcou.

Léo Gago insistia nos chutes de fora e não foi diferente quando o volante percebeu Danilo adiantado no gol, aos 15, para quase marcar o segundo do Coxa. Nem ele, nem a torcida do Alviverde poderiam prever o golaço que estava por vir. Marcos Aurélio recebeu sem marcação pela direita, mandou a bola para a perna esquerda e soltou a bomba para assinar o seu oitavo gol no estadual e fazer o segundo do Verdão no jogo.

O Arapongas não assustava, mas tinha em Wellington o principal finalizador do time, tanto nas bolas paradas, como nos chutes de fora da área. Aos 24, a cobrança de falta do volante tinha endereço certo no ângulo de Edson Bastos, que conseguiu salvar. A falta de um jogador não parecia afetar o Alviverde, consciente nos passes e nas triangulações no meio de campo. A noite foi de inspiração para Marcos Aurélio, que brilhou, tanto nos passes quanto nas boas finalizações. O conjunto da obra confirmou o Coxa na liderança absoluta do estadual.