Com dez em campo, o Atlético criou mais que o Coritiba, segundo a análise feita pelo técnico Adílson Batista. O treinador parabenizou o técnico do rival e a apresentação dos jogadores do alviverde. “Não quero tirar o mérito do Coritiba. Parabenizo o Marcelo, os jogadores. Evidente que com a expulsão tivemos dificuldades, mas mesmo assim criamos algumas situações”, disse o treinador, no fim do clássico deste domingo.

Com um sistema tático que anulou o meio campo coxa-branca no primeiro tempo, Batista explicou as substituições que fez no intervalo de jogo, quando tirou Guerrón para a entrada de Jenison e Sacou Branquinho, que infernizou a defesa do Alviverde, para entrar com Lucas. “Tentei segurar, ter um combate maior na frente. Infelizmente tivemos dificuldades com a entrada do Jenison. Não foi aquilo que observei no treinamento”, disse.

Para o treinador, a partida no meio da semana, contra o Bahia, pela Copa do Brasil, gerou cansaço no time. “O que precisamos analisar também é que tivemos um desgaste na quarta-feira e o Coritiba teve toda a semana para trabalhar. A gente queria dar alegria para o nosso torcedor. Agora é pensar em Copa do Brasil e vida que segue”, finalizou.