Divulgação/UFCO lutador brasileiro Thiago Silva, da categoria meio-pesado (até 93 kg), confirmou nesta quarta-feira (30) que fraudou o seu exame antidoping, realizado depois da vitória sobre o americano Brandon Vera, no UFC 125. No site MMA Junkie, Silva disse aceitar qualquer punição e admitiu que optou pelo doping por se sentir inseguro para a luta. O lutador lesionou a coluna 45 dias antes de entrar no octógono com Vera.

“Tomamos decisões todos os dias, algumas boas, outras más. Quando você faz uma escolha errada, você pode piorar ainda mais a situação ao tentar acobertar algo, mentir ou ainda enfiar a cabeça na areia e negar que algo tenha acontecido. Ou então você pode dar uma explicação honesta, pedir desculpas às pessoas envolvidas, aceitar as consequências de seus atos e aprender com o ocorrido. Eu escolho a segunda opção”, afirmou o lutador.

Segundo a Comissão Atlética do UFC, o resultado do exame de Thiago Silva foi invalidado porque a urina coletada não era de natureza humana. A amostra inicial e a contraprova apontaram o mesmo resultado. O lutador admitiu que o material entregue era irregular e que tentou enganar os responsáveis pelo antidoping. “Eu entreguei uma urina adulterada após a luta com Brandon Vera. Fiz isso em uma tentativa de para de mudar o resultado do exame e conscientemente quebrei as regras”, confirmou Thiago Silva, ressaltando a sua péssima escolha.

O brasileiro de 28 anos está inscrito para enfrentar o americano Rick Story, no UFC 130 que acontece no dia 28 de maio. Em tom de desculpas, Silva evitou justificativas, mas falou sobre a seriedade da lesão sofrida pouco antes da luta com o americano. “Já que estava afastado por tanto tempo, decidi que o único jeito de não desistir da luta era tomar injeções de sustâncias proibidas nas costas e na coluna”, revelou.

A organização do UFC ainda não se pronunciou e a Comissão Atlética deve dar o seu parecer sobre o futuro do atleta até o próximo dia 7.