Foi definido nesta quinta-feira (1°) pelos conselheiros do Tribunal de Contas do Paraná (TC-PR) que o potencial construtivo para as obras a Arena é dinheiro público. Com a aprovação do documento enviado pela Comissão de Fiscalização da Copa, o TC-PR espera realizar um estudo aprofundado do orçamento e realizar propostas para a fiscalização mais rigorosas das obras.

A fiscalização mais rigorosa foi aprovada já que, segundo o TC, a obra já mostra gastos superiores aos orçados e sem justificativas técnicas para isso. O exemplo citado está nas compras das cadeiras para o estádio, no qual a empresa contratada é do filho do presidente atleticano Mario Celso Petraglia, e custaram 17,8% a mais que a previsão orçamentária (R$ 8,2 milhões para R$ 9,6 milhões).

A reportagem daBanda B entrou em contato com a assessoria de imprensa do TC e foi informada que a aprovação foi realizada por unanimidade e com isto ficou oficializada a fiscalização mais rígida sobre a aplicação dos recursos no estádio atleticano.

O documento, porém, mais uma vez não foi votado no pleno do Tribunal, já que representantes do Atlético pediram vistas, como terceiros interessados. O clube esteve representado na sessão pelo advogado Luís Gustavo Flores. O Atlético tem cinco dias úteis para devolver o relatório, para que a partir daí sejam marcadas reuniões entre os dirigentes atleticanos e a comissão da Copa do TC-PR para discutir como será feita a fiscalização das obras.