Mais que vencer, o Furacão precisa agora pensar em reverter a dura realidade que enfrenta no Brasileirão. Com 11 pontos, o time ainda é o penúltimo colocado na tabela de classificação, atrás de Santos e Avaí na zona de rebaixamento. Duas vitórias consecutivas, a primeira de maneira heroica contra o Santos, na Arena da Baixada, por 3 a 2 e a segunda nesta quinta sobre o Atlético-GO por 3 a 0 não devem servir para relaxar o time, que ainda tem uma longa batalha pela frente.

“A minha equipe sabe que precisa conseguir o máximo de pontos a cada rodada para sair dessa situação. Não vai ser da noite para o dia. Mas, aos pouquinhos, a gente vem conquistando esse espaço”, avaliou o técnico Renato Gaúcho. “É importante manter essa pegada, essa humildade, essa dedicação”, apontou o treinador. Se tivesse vencido o Ceará na 12ª rodada, o Atlético estaria fora da zona de rebaixamento, já que atingiria 14 pontos.

A derrota, utilizada por Renato como exemplo da desatenção da equipe, serviu para que o Rubro-negro ficasse ligado e, ainda com a pressão do time da casa, conseguisse chegar ao gol com tranquilidade para aniquilar a partida. “A gente precisa fazer o gol e, se tiver mais chances, matar o jogo. Contra o Ceará, tivemos oportunidades para matar o jogo, como hoje, e não matamos. Hoje não. A equipe criou várias oportunidades e fez três gols”, ressaltou o treinador.