A Fifa cutucou e a CBF respondeu. Depois de o presidente da entidade máxima do futebol mundial criticar a lentidão no andamento das obras para o Mundial de 2014, o mandatário da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, respondeu às colocações de Blatter e as rebateu, discordando dos pontos colocados pelo suíço. Para o presidente da CBF, não é papel da instituição pressionar governante “ainda mais quando não há nenhum motivo para tal”.

Primeiro, Teixeira disse desconhecer qualquer conflito entre os políticos brasileiros, problema apontado por Joseph Blatter como um dos principais empecilhos para o andamento das obras de infraestrutura no país. O presidente da CBF aproveitou para elogiar a dedicação da presidente Dilma Rousseff e a integração dos ministros, comandados pelo responsável pela pasta de Esporte, Orlando Silva.

“Desconheço que haja qualquer confronto entre prefeitos e governadores em qualquer uma das 12 sedes da Copa do Mundo de 2014. Ao contrário, a FIFA testemunha há anos um trabalho integrado do poder público com o Comitê Organizador Local (COL) e a própria FIFA”, disse, em nota.

Outro esclarecimento diz respeito à entrega dos estádios do Maracanã e do Morumbi para a Copa das Confederações de 2013, questionada pelo presidente da Fifa. Ricardo Teixeira garante que as obras no Rio nunca foram interrompidas e que, em São Paulo, há garantias de que as obras serão concluídas no tempo previsto.

Com leve tom de provocação, o mandatário da CBF convida Joseph Blatter a vir ao Brasil para visitar o progresso das obras. “Aproveito ainda para, mais uma vez, convidar o presidente da FIFA para vir ao Brasil e ver de perto o progresso que ele mesmo elogiou após uma reunião do conselho FIFA/COL, realizada no início deste mês, em Zurique”, afirmou Teixeira.

Confira a nota na íntegra clicando aqui.