O próximo desafio do Tricolor no Brasileirão da Série B não será em casa e nem fora dela. Punido com a perda de um mando de campo após uma briga de torcedores na partida contra a Ponte Preta, o São Caetano vai a Santos pressionado pela vitória sob a pena de se ver muito perto da zona de rebaixamento da Segundona. As situações são opostas: enquanto, de um lado, o Tricolor, com 23 pontos e terceiro colocado, briga para se manter no G4; o Azulão tem 15 e está a uma posição de entrar na degola.

Para o jogo deste sábado (30), na Vila Belmiro, o técnico Roberto Fonseca faz duas apostas: sem os zagueiros Cris e Luciano Castán, suspensos, o técnico promove a estreia de Flávio Boaventura, ex-jogador do Atlético para a defesa tricolor; a outra certeza do treinador é quanto ao apoio da torcida, que, segundo ele, deve apoiar o time na “casa neutra” em que o Paraná vai atuar contra o Azulão.

E, como quem quer se sentir em casa no campo de Neymar e Ganso, o Paraná vai disposto a marcar duro os comandados de Vadão. “Nós temos que ter uma marcação forte, que ja é marca registrada do Paraná. Não vamos agredir sem a bola, e, pra isso, temos que ter retomada da posse de bola”, ressalta. “Nós temos mais torcedor paranaense que do São caetano por lá. Teremos o apoio do nosso torcedor”, aposta o comandante paranista.

Paraná e São Caetano não se enfrentam desde 2006, quando ainda estavam na Série A do Brasileirão. O Tricolor saiu vencedor da partida realizada no Anacleto Campanella por 2 a 0, com um gol de Thiago Martinelli, que fez contra, e outro do meia Joélson, então comandados pelo técnico Caio Júnior.

Nos dez encontros, foram três vitórias do Paraná, dois empates e cinco derrotas, que aconteceram no período de 2001 a 2005. O maior jejum de vitórias agora foi do Azulão, que amargou dois anos sem saber o que era bater o Tricolor Paranaense.

“Temos que voltar a ter um Paraná grande. pelos pontos que perdemos em casa, temos a obrigação de trazer os três pontos contra o São Caetano”, avisa o volante Everton Garroni, que vai estar entre os titulares no jogo deste sábado. “A gente pode tirar um pouco de proveito por ser um campo neutro”, destaca, confiante na vitória paranista.