O presidente Mario Celso Petraglia, do Atlético Paranaense, participou ontem (20) da segunda sessão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Copa do Mundo de 2014 da Assembleia Legislativa do Paraná. Em pauta, a polêmica obra na Arena da Baixada. Durante a reunião, que transcorreu com tranquilidade, o presidente falou sobre questões como a contratação da empresa de seu filho para as instalações nas cadeiras do estádio e ameaçou: “Se o montante faltante dos recursos para a obra da Arena não chegar, as obras podem parar”.

Segundo Petraglia, R$ 45 milhões do primeiro repasse foram gastos, faltando R$ 131,2 milhões, que ainda não foram liberados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “O estádio foi demolido, perdemos 10 mil sócios, estamos pagando para jogar e até agora não recebemos o prometido pelo governo estadual e municipal. A CPI deveria perguntar o motivo disso a eles”, falou o dirigente.

Polêmica das cadeiras

Outro assunto colocado em pauta durante a sessão foi a escolha de empresas de parentes para a realização das obras, como no caso das cadeiras da Arena, em que a empreiteira do filho de Petraglia foi contemplada, apesar de ter um orçamento mais caro. “O mais barato nem sempre é o melhor. A empresa escolhida tinha o melhor produto e atendia nossas expectativas”, disse.

Petraglia ainda frisou que o Atlético não vai pedir nenhum aditivo a mais nos R$ 184 milhões projetados para as obras da arena e isso parece ter “conquistado” os parlamentares. O deputado Fábio Camargo, presidente da CPI, afirmou que como o valor foi fechado e nada a mais será pedido, não cabe aos deputados questionarem a escolha de determinada empresa. “Se o preço é fechado e nada vai ser gasto a mais, não faz diferença para o governo. Isso é uma questão interna do Clube, que cabe aos conselheiros definirem se houve erro ou não”, falou Camargo.

Para o deputado, os assuntos colocados em pauta foram respondidos. “Saio satisfeito com a reunião de hoje. Esperamos todos que tenhamos um belo estádio para a Copa do Mundo que está para acontecer”, concluiu.

Depois da sessão de hoje, a CPI na semana que vem receberá um membro do Tribunal de Contas do Paraná, quando será debatido as obras de mobiliário urbano para a competição Mundial.