O encerramento de uma campanha irrepreensível no Campeonato Paranaense marcou, para Pereira, um jogo histórico com a camisa do Coritiba. Isso porque o zagueiro marcou um dos gols na vitória sobre o Cianorte no último domingo e fez a sua partida de número 100 defendendo o Alviverde. Dentro de todas as comemorações pela bicampeonato invicto, o zagueiro aproveitou para elogiar o desenvolvimento do projeto vencedor no Alto da Glória.

“Estou contente, minha família está bem. Vivi os dois extremos: brigar pelo título um ano e no outro pra não cair. Fiquei aqui porque quis, pelo envolvimento”, disse o jogador, que comentou as mudanças de postura do elenco para recuperar a moral alviverde nos gramados. “Sempre focados, com muita humildade. Modéstia à parte, fomos brilhantes. Fruto de união e comprometimento. Estamos de parabéns por tudo o que realizamos”, afirmou.

Pereira destaca, também a ascensão vitoriosa do time em tão pouco tempo. Para ele, não havia dúvidas de que o time era forte, mas a maneira como as coisas aconteceram deve deixar marcar em todo o grupo. O projeto de recuperação do Coxa, que passou por momentos turbulentos no fim de 2009 e começo de 2010 também foi ressaltado pelo defensor. “Hoje se monta um time forte para o Estadual para dar sequência e o Coritiba só tem a ganhar com isso”.

Próxima parada: Copa do Brasil
Depois de bater o Cianorte por 2 a 0 com o time reserva, no Couto Pereira, as atenções do time do Alto da Glória se voltam para o Palmeiras, adversário da próxima quinta-feira (5), às 21h50. O jogo que acontece no Couto será decisivo para o grupo que almeja voos altos na Copa do Brasil.

“Sabemos que o grau de dificuldade vai aumentar. Mas é continuar com os pés no chão porque temos condições de jogar de igual para igual com qualquer equipe”, pregou, cauteloso. “Invencibilidade, recordes, isso não fica na nossa cabeça. Sabemos que o tropeço pode vir a qualquer momento e precisamos também nos preparar”, afirmou.

Pereira sabe que fazer o resultado em casa é primordial para ir com tranquilidade para São Paulo. “Não podemos tomar gol em casa e temos que abrir vantagem. Temos que sonhar e trabalhar para buscar os nossos objetivos”, explicou. “O Palmeiras é uma equipe forte. É um grande time, de tradição. Vamos nos preocupar conosco mesmo para fazer