Sofrimento. Essa é a palavra que define o sentimento de Pelé nos momentos que antecedem a grande final da Copa Libertadores da América entre Santos e Peñarol. Grande destaque na conquista do bicampeonato do clube paulista (1962 e 1963), o eterno camisa 10 do Peixe acredita que a partida será muito difícil para os meninos da Vila, mas aponta o time do coração como favorito ao título.

“Sou um homem de Três Corações (MG) e, mesmo assim, estou sofrendo muito. Nem na concentração, horas antes da final de 1962, eu sofri tanto. Naquele dia, eu estava muito mais tranquilo. Será um jogo difícil, o Peñarol é um time duro, mas acho que o Santos tem mais condições de vencer”, disse Pelé, em um evento do patrocinador da Libertadores.

AFP
Rei diz que está sofrendo mais que na final de 1962

As críticas de Diego Maradona não passaram impunes, mas Pelé preferiu o tom amistoso. O argentino alfinetou Pelé dizendo que Neymar é tão mal-educado quanto o Rei. “Realmente, o Maradona me ama, me adora. Tudo o que eu puder fazer para ajudar o Maradona, vou fazer. Eu soube da reportagem em que ele falou isso. Vocês veem que agora ele já está preocupado até com o Neymar, né?”, disse, entre risos.”Já falei 500 mil vezes: tudo o que eu fizer para ajudar o Maradona, vou fazer. Já fui ao programa dele na televisão, fui à sua despedida, já fiz evento de apoio a ele. Enfim, eu adoro o Maradona”, finalizou Pelé.

Santos e Peñarol jogam às 21h50, no Pacaembú, com transmissão ao vivo da Rádio Banda B na narração de Jaques Santos.