Por Pedro Melo com informações de Osmar Antônio

Pachequinho criticou a atuação da arbitragem na derrota do Coritiba. (Divulgação/Coritiba)

O Coritiba terminou a primeira fase do Campeonato Paranaense na vice-liderança mesmo com a derrota para o Londrina por 1 a 0. Apesar de jogar com um time reserva, o técnico Pachequinho acredita que o Alviverde poderia ter saído de campo com um resultado melhor.

Para o treinador coxa-branca, a expulsão de Léo Santos no começo do segundo tempo e o pênalti marcado que gerou o gol da vitória do Londrina prejudicaram todo o planejamento do Coxa para a partida. “A questão do pênalti e da falta comprometeu a nossa partida. Com um jogador a menos desde os nove minutos do segundo tempo e não demorou muito tempo para vir o pênalti. Aí tínhamos que resgatar a moral dos atletas e com um jogador a menos, acaba pesando”, declarou.

“A expulsão nos prejudicou bastante. O primeiro cartão em jogada isolada no meio-campo e foi uma falta em jogada normal. Teve o mesmo lance no primeiro tempo em várias oportunidades. Já o segundo cartão, não deu para notar se houve alguma situação e a expulsão dificulta mais porque o adversário cresce”, explicou Pachequinho.

Sem contar com praticamente todo o time titular, o treinador explicou que a ausência dos jogadores foi exclusivamente por questão médica. “Tínhamos alguns atletas que podiam agravar uma lesão e perderíamos eles no restante da competição. Também estávamos preocupados com o desgaste do William Matheus e o Rodrigo Ramos não queríamos perder ele por suspensão. Mas o principal foi a questão médica que atrapalhou a montagem da equipe”, afirmou.

Agora, o Coritiba foca no confronto das quartas de final do FC Cascavel e o primeiro jogo acontece no estádio Olímpico Regional. “Agora é pensar no Cascavel. A competição entra no mata-mata e começa a afunilar. Vamos buscar um grande resultado fora para decidir em casa”, finalizou Pachequinho.