Por Guilherme Coimbra com informações de Osmar Antônio

O treinador celebrou evolução da equipe e comentou sobre a vitória (Banda B)

Depois de um primeiro tempo com pouca produtividade, o Coritiba evoluiu na etapa final e derrotou o Rio Branco por 2 a 1, na noite deste domingo (26), no Couto Pereira. Depois da partida, o técnico Pachequinho voltou a celebrar a evolução da equipe, minimizou a atuação inicial e destacou as alterações que mudaram os rumos da partida.

“Não digo uma diferença a nível de postura. O que nós tivemos é que corrigir algumas situações do jogo e essas situações implicaram num crescimento da equipe do Rio Branco. No segundo tempo, com as alterações, adiantamos mais a equipe, diminuímos os espaços e isso facilitou na posse de bola e criação de jogadas”, ressaltou Pachequinho em entrevista coletiva após a vitória diante do Rio Branco.

O treinador analisou a primeira parte ruim do Coritiba e considerou a boa partida do adversário como fator primordial para a etapa sonolenta da equipe. “O que aconteceu muito no primeiro tempo foi a questão da nossa equipe estar espaçada em alguns momentos. Sabíamos que o adversário tinha jogadas fortes pelas beiradas e isso sobrecarregou nossos laterais. Soubemos também segurar e manter o nosso padrão, principalmente no segundo tempo”, disse.

Com as mudanças feitas por Pachequinho no intervalo, o Coxa retornou para o segundo tempo com ímpeto ofensivo e construiu a vitória sobre o Rio Branco. “Nós precisávamos preencher o meio de campo com mais um homem de posse de bola, que foi o caso do Tiago Real. De alguma forma, o Anderson veio mais para trás, onde ele se sente confortável para buscar espaços. Com tudo isso e tendo o Léo [Santos], que é um homem de beirada, mas que sabe muito bem jogar por dentro, nós ganhamos uma criação muito forte”, avaliou.

Vice-líder do Campeonato Paranaense, o treinador comemora o bom momento e o crescimento da equipe coxa-branca no decorrer da competição, desde que assumiu o comando após a saída de Paulo César Carpegiani. “É um momento que tem que dar os méritos aos atletas, principalmente pelo comportamento e a maneira que eles estão trabalhando e a confiança que eles têm no meu trabalho, porque se não, as coisas não acontecem. E passa pela ambição dos atletas, pelo padrão que queremos e pelo comprometimento dos jogadores”, finalizou.

Confira a entrevista coletiva do técnico Pachequinho: