Ocimar Bolicenho não é mais o gerente de futebol do Atlético Paranaense. O executivo oficializou na noite desta segunda-feira (04), em reunião com a diretoria do Atlético, o seu pedido de afastamento do clube.

Ocimar agradeceu a confiança do Conselho de Administração do Furacão em seu trabalho e o apoio nas ações realizadas pelo Departamento de Futebol. “Foi um prazer e uma honra estar por quase doisanos no clube. Desejo muito sucesso ao Atlético na Copa do Brasil e no Campeonato Brasileiro deste ano”, finalizou.

Passagem pelo Furacão

Desde sua chegada ao Atlético em 2009 Ocimar Batista Bolicenho sofreu com a pressão da torcida rubro-negra. Uma situação deixava torcedores com pé atrás quando se falava no dirigente; o fato dele ter sido diretor do Paraná Clube e declaradamente ser torcedor do tricolor. Apesar disso, o grande problema enfrentado por Bolicenho não era este, mas sim o fato das contratações feitas pelo departamento de futebol não terem dado resultados dentro de campo. Jogadores como Alê, Wescley e Henan vieram para o elenco em 2011 com o aval de Bolicenho e não engrenaram.

Em alguns momentos de sua passagem pelo Furacão, o dirigente chegou a afirmar que contratava de acordo com o orçamento atleticano, o que tiraria parte de sua culpa quanto as apostas que deram errado. Agora, o Atlético corre atrás de outro profissional para esta área, enquanto isso, Walmor Zimerman segue sozinho comandando o departamento de futebol atleticano.

O ápice

A pressão pelos maus resultados no Campeonato Paranaense fez com que o cargo de Bolicenho ficasse ameaçado, no entanto a não negociação com o atacante Everton, que acabou indo para o maior rival, foi o fim da linha para o então gerente de futebol. Informações de bastidores dão conta que Bolicenho e Ademir Adur já haviam fechado um acordo com o Caxias, oferecendo R$ 1,25 milhão pelo atleta, porém o presidente Marcos Malucelli achou o valor muito alto e com isso o atacante desembarcou no Alto da Glória.

Na semana passada o mandatário do Atlético havia afirmado que Bolicenho não corria risco de perder o cargo, porém nesta segunda-feira o próprio não aguentou a pressão sofrida por torcida e parte da diretoria do Furacão.

Segundo o repórter Osmar Antônio, ainda não é oficial, mas o diretor esportivo Valmor Zimermann, também poderá deixar o Atlético.