A derrota tricolor por 4 a 2 para o Vermelhinho, deixou o técnico Ricardo Pinto em busca de respostas para a atuação do time. Segundo ele, o calor foi determinante para o cansaço e a falta de movimentação do Paraná, mas não é justificativa para a goleada sofrida. “Sentimos algumas dificuldades. O calor foi grande, não é desculpa, mas agrava e a falta de condição de jogo de alguns jogadores também favoreceu a facilidade do adversário”, explicou.

Para Ricardo Pinto, o resultado foi inesperado, dado que nas suas duas últimas partidas em casa, o Paranavaí perdeu para Coritiba e Cianorte. “A dificuldade não foi tão grande, tão absurda assim, pra ter feito quatro gols”, justifica o técnico, reiterando que a partida no interior foi muito desgastante pelo tempo abafado.

A derrota devolveu o Paraná à dura realidade da zona de rebaixamento do Campeonato Paranaense, mas agora o agravante é o que mais chama a atenção: das cinco partidas que restam, o Tricolor tem dois clássicos pela frente e já não depende das próprias atuações para se manter na elite do futebol estadual.

“A pressão não aumenta nem diminui. Só vai acabar quando o Paraná for campeão de novo, time grande é assim. Existe uma busca desesperada, com responsabilidade, confiança, pé no chão, de ganhar jogos, pra podermos sair dessa situação”, destaca. “O Paraná não pode, não vai cair, isso é uma certeza, mas temos que ter tranquilidade em todos os setores”, finalizou o técnico