Andy Murray perdeu para o número 50 do mundo. (Ben Solomon/Tennis Australia)

Se no ATP Finals os rivais Novak Djokovic e Andy Murray jogaram uma final entre eles para decidir quem ficaria como líder do ranking mundial, no primeiro Grand Slam de 2017 os dois astros passaram longe do que sabem. Depois de Novak Djokovic perder na segunda rodada, neste domingo foi a vez de o melhor do mundo ser eliminado do Aberto da Austrália. Murray caiu nas oitavas de final, diante do alemão Mischa Zverev, apenas o 50.º colocado do ranking da ATP. O jogo terminou com 3 sets a 1, com parciais de 7/5, 5/7, 6/2 e 6/4.

Apesar da derrota, Murray continuará como líder do ranking mundial. No ano passado, Djokovic o venceu na final, de forma que o sérvio, então, é quem deixa Melbourne com prejuízo maior. A diferença de pontos entre os dois, que era de menos de 800 pontos, vai superar 1.700 – mais do que o dobro, portanto.

Desde Indian Wells, em março do ano passado, Murray não perdia para um rival tão mal ranqueado – o argentino Federico Delbonis era o 53.º à época. Neste domingo, caiu diante de um alemão de 29 anos que é só o 50.º no ranking da ATP, que nunca ganhou um título na carreira e nem havia ido além da terceira rodada de um Grand Slam.

Já Roger Federer agora tem o caminho livre para mostrar que segue entre os melhores do mundo e chegar pela quinta vez seguida a uma semifinal da Grand Slam. Neste domingo, ele venceu um duelo de 3h23min contra Kei Nishikori, por 3 set a 2, parciais de 7/6 (7/4), 6/4, 6/1, 4/6 e 6/3.

Federer terá pela frente nas quartas de final justamente Zverev. Os dois se enfrentaram apenas duas vezes – em 2009 e 2013 – com duas vitórias de Federer. No último confronto entre eles, em Halle, na Alemanha, o suíço passeou com uma “bicicleta”, com um duplo 6/0.

Contra Nishikori, Federer também tinha histórico favorável – quatro vitórias e duas derrotas -, mas ninguém esperava um jogo fácil. O japonês, afinal, era, na ponta do lápis, o favorito. Afinal, é o quinto do ranking mundial, enquanto Federer é só o 17.º.

Mas Federer, aos 35 anos, continua sendo um tenista com quatro títulos do Aberto da Austrália no currículo. Foram 24 aces na partida e um aproveitamento de 80% no primeiro serviço. Os winners foram 83, contra só 42 de Nishikori. Também o número de erros não forçados foi maior.