estadao_conteudo_cor

chape-dentro-copy

Ruschel e Henzel chegaram ontem a Chapecó (Foto: TARLA WOLSKI/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO)

A equipe médica está otimista com a evolução dos quadros de dois dos sobreviventes do acidente aéreo da Chapecoense, que chegaram à cidade de Chapecó nesta terça-feira. O coordenador médico do clube catarinense, Carlos Mendonça, afirmou nesta terça-feira que, pelas boas condições de Alan Ruschel e Rafael Henzel, a internação da dupla no hospital local deve ser curta e em breve os dois poderão ir para casa.

Os sobreviventes voltaram para Chapecó nesta terça-feira em voo da Força Aérea Brasileira (FAB) equipado com UTI móvel. Os dois foram transferidos ao Hospital Unimed que fica na própria cidade catarinense. “Tudo vai depender da resposta clínica, mas acredito que a presença dos pacientes aqui vai no hospital vai ser curta”, afirmou Mendonça, que acompanhou a transferência dos dois de Medellín, na Colômbia, até a cidade no oeste catarinense

Apesar do otimismo, os dois vão precisar ficar sob cuidados especiais. Henzel tem um traumatismo no tórax e está com um dreno no local. O radialista está com uma pneumonia e, por isso, ficará em isolamento hospitalar para combater a bactéria. Outra tarefa será cuidar de fraturas no pé e no pulso. Já o lateral Alan Ruschel, tem se recuperado de luxação na coluna torácica e tenta se livrar de infecção urinária.

Mendonça explicou que a força-tarefa entre médicos colombianos e brasileiros foi fundamental para os sobreviventes saírem de um estado crítico para o panorama atual, bem mais favorável. “A equipe no hospital na Colômbia era fantástica, assim como o povo de lá. Tivemos a liberdade de interferir e sugerir novas condutas médicas. Não sei se nós, brasileiros, faríamos a mesma coisa por eles. Foi muito fora da média”, elogiou.

NETO – O zagueiro Neto deve retornar ao Brasil nesta quinta-feira, segundo previsão de Carlos Mendonça. O único sobrevivente do desastre aéreo sofrido pelo clube há mais de duas semanas que continua na Colômbia aguarda a melhora do trauma torácico e da infecção pulmonar para repetir o caminho feito nesta terça-feira à noite por Alan Ruschel e Rafael Henzel

“Se tudo correr bem, na quinta-feira ele deve vir para o Brasil. O Neto é o paciente que inspira mais cuidado, mas tem respondido bem ao tratamento”, disse Mendonça nesta terça. O médico voltou na noite de terça para Chapecó junto com os dois primeiros sobreviventes que desembarcaram na cidade. O grupo viajou em um avião fretado pela Força Aérea Brasileira em viagem de mais de nove horas de duração.

Neto foi o último a ser resgatado do local do acidente e apenas no fim de semana soube da queda do avião. A equipe de psicólogos do hospital San Vicente, onde o defensor está internado, decidiu relatar a tragédia. A mulher do jogador também participou da conversa. “Ele é um cara muito sensível e quando acordou, perguntou se estava no hospital e machucado daquele jeito por algo que aconteceu no jogo”, afirmou Mendonça.

Antes de chegada de Alan Ruschel e Rafael Henzel nesta terça-feira à noite, o goleiro Follmann se tornou o primeiro sobrevivente brasileiro a chegar ao Brasil, sendo que foi transferido ao hospital Albert Einstein, em São Paulo, para monitorar um problema na coluna e a recuperação de uma amputação na perna direita.