Estadão-6-6-3-1-1

Os apelos na Argentina para que Lionel Messi repense a sua decisão de não atuar mais pela seleção nacional, anunciada após a derrota na decisão da Copa América Centenário para o Chile, nos pênaltis, ganharam mais um forte apoiador, o craque Diego Maradona, que pediu para o jogador do Barcelona seguir atuando pela equipe.

Para Maradona, Messi tem totais condições de liderar a Argentina na luta pelo título da Copa do Mundo de 2018. O ex-jogador também revelou o desejo de conversar com o craque do Barcelona e avaliou que Messi foi abandonado pelos dirigentes do futebol argentino.

“Lio tem que seguir na seleção porque tem muito para dar e porque vai chegar à Rússia em condições de ser campeão do mundo. Gostaria de falar com ele. O deixaram sozinho e não quero deixá-lo sozinho”, escreveu Maradona em breve texto publicado no seu perfil na rede social Facebook.

Messi afirmou se retirar da seleção. (Facebook/ AFA)

Messi afirmou se retirar da seleção. (Facebook/ AFA)

Antes da derrota da Argentina na decisão da Copa América Centenário, Maradona havia adotado um tom bem mais crítico sobre Messi em uma conversa com Pelé, em que o astro não percebeu que estava sendo gravado e declarou que o craque do Barcelona “não tem personalidade para ser um líder”.

Maradona, aliás, já trabalhou diretamente com Messi, a quem comandou na Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, quando foi o técnico da seleção da Argentina, que foi eliminada nas quartas de final, sendo goleada por 4 a 0 pela Alemanha.

No último domingo, Messi anunciou, ainda na zona da mista do Metlife Stadium, em East Rutherford, que não jogará mais pela seleção do seu país. A Argentina tinha acabado de ser batida pelo Chile nos pênaltis, com o craque desperdiçando uma das cobranças.

A final foi a quarta perdida por Messi com a seleção argentina. Anteriormente, caiu também diante do Chile na Copa América de 2015 e para o Brasil, em 2007. Em 2014, não conseguiu superar a Alemanha na final da Copa do Mundo, no Maracanã. A seleção argentina não conquista um título há 23 anos. A última taça levantada foi na Copa América de 1993.

Na última quarta-feira, no dia seguinte à confirmação da classificação da Argentina para a final e horas antes de o Chile vencer a Colômbia na outra semifinal, Maradona colocou pressão nos jogadores. Em programa especial em comemoração aos 30 anos do gol com a “mão de Deus”, o “Pibe” afirmou que “claro que vamos ganhar domingo. E se não ganharmos, que os jogadores nem voltem (ao país)”. Agora, porém, saiu em defesa de Messi.