O atacante Leonardo vai voltando à equipe coxa-branca e buscando seu espaço. No jogo que valia o título do Paranaense, ele marcou o golaço que fechou o placar, chegando com tudo para não deixar dúvidas sobre a sua competência.

Agora, com a ausência de Bill, ele ganha a oportunidade de vestir a camisa nove mais uma vez e ajudar o Coritiba a conquistar a vaga nas quartas de final da Copa do Brasil. E nada de rivalidade entre os companheiros de ataque. Ele e Bill são muito amigos, apesar da “disputa” pela posição.

“Me dou muito bem com ele. Tem que respeitar. Quando eu jogava ele respeitava e agora é o momento dele. O Bill está tão bem que quando eu entro fico na segunda linha dos meias, como um segundo atacante. Estou procurando meu espaço e do jeito que tiver oportunidade eu tenho que entrar e corresponder”, explica Leonardo, que diz que nada impede os dois de jogarem juntos em alguma oportunidade, já que é tudo questão de adaptação.

Mas como Bill não jogará desta vez, Leonardo ficará mesmo como o atacante de referência na área. E, além de procurar o gol, ele vai ter a missão de ajudar na marcação na saída de bola do Caxias. “Os primeiros 15 minutos são os mais importantes, porque eles vão tentar fazer pressão para marcar o gol. A vantagem é muito grande, então eles vão tentar pressionar e nós temos que ajudar a marcar para surpreender, fazer um gol e tentar matar o jogo”.

E o confronto de quinta terá mais um detalhe importante. Também pode ser a quebra de recorde de vitórias consecutivas de um clube brasileiro. O Coritiba 2011 e o Palmeiras 96 ostentam 21 triunfos seguidos, uma vitória contra o Caxias deixaria o Alviverde como detentor da marca. “A gente não falava muito nisso, mas agora sim. É uma marca importante e temos que segurar o Caxias e ao mesmo tempo vencer”, diz.

Uma vitória também deixa o grupo mais motivado em busca do título. Leonardo acredita que o Coxa tem totais condições de disputar esse campeonato para no final levantar a taça. “Hoje o adversário que mais respeito é o Cruzeiro, que tem um diferencial. Mas o Coritiba hoje é uma equipe que pode bater de frente com as outras e ganhar o título no detalhe”.

Qualidade para isso é o que não falta. “Temos conjunto, ambiente. Você vê uma parte tática em que os volantes, os meias e laterais, que quando um sai o outro já fecha. É impressionante como acontece naturalmente e é difícil conseguir isso. Desde fevereiro estamos jogando assim e vamos entrar no Brasileiro bem fortalecidos, isso pode fazer muita diferença”.

E se ele pode dar sua contribuição em gols, quem sabe o goleiro Edson Bastos também não pode repetir a assistência do último jogo.”Ele (Edson Bastos) veio com um papo que me viu lá na frente, chamei de mentiroso e ele ficou brabo. Mas vamos ver se acontece de novo, ele dá um chutão e sobra pra mim”, brinca o atacante, que é firme ao dizer que está feliz no grupo. “As coisas estão acontecendo e eu estou dando sequência”.