Envolvido numa ocorrência policial em 19 de abril, o atleta Leandro, do Grêmio, virou réu de uma ação penal que tramita na Vara Criminal do Foro Regional do 4º Distrito de Porto Alegre. A competência para a tramitação do processo foi fixada em função do local onde ocorreram os fatos.

O juiz da causa, no momento, é o magistrado Márcio André Keppler Fraga. A denúncia apresentada pelo Ministério Público é pelo uso de documento falso. O jogador foi enquadrado no artigo 304 do Código Penal – uso de documento falso – que prevê pena de dois a seis anos de prisão.

Já determinada a diligência, um oficial de justiça deve citar o atleta, nos próximos dias, para que apresente defesa.

Para recordar o caso

* Weverson Leandro Oliveira Moura – este o nome do atleta – foi flagrado em uma blitz da Lei Seca na esquina da Avenida Pernambuco com a Avenida Farrapos, na Zona Norte de Porto Alegre, pouco depois da meia-noite de 19 de abril. O atleta tinha, na época, 18 de idade; completou 19 anos no dia 19 de maio.

* Ele estava na direção de uma camioneta Honda CRV, mas não havia bebido. Todavia, a Brigada Militar constatou que ele portava carteira de habilitação falsa. Autuado em flagrante, Leandro chegou a ser encaminhado ao Presídio Central, recolhido ao setor de triagem. A Polícia Civil informou que este é o procedimento padrão para autuações em flagrante.

* Na blitz, os agentes desconfiaram do documento depois de perceberem que o código de barras estava borrado. Ao consultarem o documento no sistema, verificaram que a numeração não existia. Leandro foi encaminhado ao Palácio da Polícia antes de seguir para o Presídio Central. Por volta das 7h40 da manhã, a defesa do jogador obteve o relaxamento da prisão, no Plantão do Foro Central de Porto Alegre.