Kléberson foi apresentado no CT do Caju na tarde de terça-feira e já chega como grande esperança para o meio-campo do Atlético, que buscava um segundo volante para a equipe. O time demorou a engrenar no Campeonato Paranaense, mas depois de três vitórias seguidas já ocupa a vice-liderança do estadual.

O jogador chega em um momento decisivo para o Atlético, que enfrenta o rival Coritiba no próximo domingo (20), às 18h30, e precisa da vitória para continuar sonhando com o primeiro turno.

Uma das armas do interino Leandro Niehues, que comanda o time no clássico, é justamente a entrada de Kléberson, que só depende do registro junto à CBF e da resposta positiva da comissão técnica do Atlético para poder vestir, novamente, a camisa rubro-negra em campo.

“É uma decisão esse jogo de domingo. O Atlético não começou muito bem, tentou encaixar jogadores, mas o mais importante é que tá crescendo durante a competição e tem tudo pra começar o segundo turno bem, enquadrando jogadores pra, quem sabe, conquistar o título paranaense”, destacou o volante.

Se a pressão de voltar é grande, Kléberson se diz preparado para enfrentar as cobranças da torcida. “Tem que ficar bem claro: na época que eu jogava no Atlético, nunca fui fundamental no time. Sempre jogava para o time e correspondia muito bem taticamente”, lembrou, dizendo que espera mesmo ser exigido no time. “A cobrança tem que ser grande, mas pode ter certeza que nós vamos ter um crescimento grande. O grupo é bom, merece ganhar algum título”, afirmou.

Liderança
Kléberson, que deve atuar ao lado de Paulo Baier na meia cancha elogia a atuação do volante, artilheiro do Campeonato Paranaense com sete gols. “O Baier vem se mostrando um líder e isso motiva muito a gente. Ele tá tendo um começo de ano muito bom. A gente vai procurar dar um suporte pra ele, pra que ele possa seguir com esse ritmo”, garantiu.

Xaropinho, como é conhecido pela torcida atleticana, chegou com toda a pompa que se confere a um pentacampeão mundial. Pelo Atlético, Kléberson já marcou 16 gols e esteve presente em grandes conquistar do Furacão, como no Tricampeonato Paranaense de 2000, 2001 e 2002. Além desses, no título mais importante da história do clube, Campeonato Brasileiro de 2001, o Atlético também contava com o volante no elenco.