O judoca Felipe Kitadai ainda não assimilou completamente o presente que se deu no dia em que completou 23 anos: uma medalha de bronze nas Olimpíadas de Londres. “Fiquei com medo de dormir. Fiquei com medo de acordar e me falarem que foi um sonho, porque foi uma coisa muito batalhada, no suor. Até agora parece um sonho”.

Para ele, no entanto, apesar da grande conquista, Londres faz parte de uma preparação para as Olimpíadas do Rio. “Acho que para muita gente, essas Olimpíadas são o ponto final. Para mim, está sendo o ponto inicial. Em 2016 será melhor”.

Visivelmente cansado e com sono, depois da série de lutas e de ter conseguido dormir apenas uma hora durante a noite, Kitadai disse não ter muita noção da repercussão de sua conquista, mas ressaltou que o apoio dos brasileiros foi decisivo. “Recebi muita força durante a luta. Até porque eu estava exausto. Fisicamente, não tinha muita coisa para dar e a torcida me empurrou”.

Mesmo desgastado fisicamente durante a entrevista, o judoca ergueu os braços e fez sinal de vitória ao receber um presente do Comitê Olímpico Brasileiro ao fim da coletiva: um prato com brigadeiro de colher para compensar os últimos meses de dieta rígida durante a preparação para os Jogos Olímpicos.