Héverton mal chegou e já tem nos pés a responsabilidade de substituir o maestro Paulo Baier, vetado para a partida diante do Rio Branco, neste domingo, às 18h30, na Arena da Baixada. O meia já está registrado – teve seu nome publicado no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF – e é a escolha do técnico estreante Geninho.

“Sei que ele é um grande jogador, espero contribuir da melhor maneira possível seja substituindo ele ou outro jogador. Quem tem a ganhar com isso é o Atlético”, disse Héverton em entrevista ao Paraná Online.

O jogador comemorou a sua saída da Portuguesa, time que defendia e no qual vinha sofrendo grande pressão e sendo ameaçado. No Atlético a situação também não é das melhores, mas nada que desanima o atleta. “O futebol tem dessas coisas mesmo. Eu não queria chegar nesta situação, mas o Atlético é grande e tem tudo para melhorar. É difícil, mas o time tem grandes jogadores. A cobrança vai existir todo momento, isso é normal em time grande”, citou.

Mesmo feliz, Héverton lamenta o final infeliz que teve com a Lusa. “A torcida não entendeu a minha saída, ficou protestando, achando que eu estava querendo ganhar dinheiro. Mas minha prioridade não é dinheiro e sim estar em um time grande como o Atlético para fazer meu papel, para no futuro fazer coisas melhores”, explicou o jogador.