Lewis Hamilton comemora a vitória com sua equipe. (Reprodução/Twitter/F1)

O britânico Lewis Hamilton coroou neste domingo o seu excelente final de semana com uma tranquila vitória no GP da Espanha de Fórmula 1. Largou na pole, perdeu a ponta somente quando parou nos boxes e triunfou com facilidade no Circuito da Catalunha, sem dar qualquer chance aos rivais. Foi a segunda vitória consecutiva de Hamilton na temporada e na prova espanhola.

O resultado foi ainda mais perfeito à Mercedes porque o finlandês Valtteri Bottas, depois de perder na largada a segunda posição para o alemão Sebastian Vettel, contou com um erro de estratégia da Ferrari para terminar atrás de Hamilton. O pódio teve ainda a presença do holandês Max Verstappen, após a Red Bull trabalhar melhor as paradas nos boxes.

Vettel, em quarto, e Daniel Ricciardo, em quinto, completaram a lista dos cinco primeiros do GP da Espanha, etapa que teve total domínio da Mercedes durante o final de semana. Antes da dobradinha no pódio, a equipe liderara todos os treinos anteriores. Assim, com o bom resultado, sacramentou a liderança na tabela de classificação.

Campeão em 2017, Hamilton ampliou a vantagem na liderança geral, agora com 95 pontos, enquanto Vettel é o segundo com 78. Em seguida vem Bottas, com 58, e Räikkönen, com 48.

O predomínio nos três treinos livres e na qualificação colocava a Mercedes como ampla favorita para a corrida deste domingo. E, na largada, o pole Hamilton manteve a ponta com certa tranquilidade. Em segundo, porém, Bottas vacilou na primeira curva e foi ultrapassado por Vettel.

Mas uma confusão no meio do pelotão provocou uma bandeira amarela ainda na primeira volta: Romain Grosjean escapou para a brita, tentou voltar e rodou no meio da pista. Nico Hülkenberg e Pierre Gasly, então, sem espaço, o acertaram e obrigaram a entrada do safety car.

Nada mudou entre os primeiros colocados após a relargada. Hamilton se manteve na frente a abria boa vantagem para Vettel, que também se distanciava de Bottas. Räikkönen, Verstappen e Ricciardo completavam a lista dos seis primeiros.

O ritmo da corrida só foi se alterar com as paradas nos boxes. Vettel foi o primeiro a entrar e retornou na sétima colocação. Depois foi a vez de Bottas, em uma tentativa de ganhar a posição do adversário, mas o piloto da Mercedes voltou atrás do alemão.

Segundo colocado após as paradas, Räikkönen subitamente perdeu potência, desacelerou e foi perdendo posições até chegar aos boxes e abandonar. Foi quando Hamilton parou para abastecer – e voltou em segundo, atrás apenas de Verstappen, que se mantinha na pista assim como Ricciardo, o terceiro.

As duas Red Bull, então, pararam. E Vettel inesperadamente também retornou aos boxes pouco depois, perdendo a segunda colocação. Bottas, assim, assumiu o posto e recolocou as Mercedes nas duas primeiras posições. Verstappen, em terceiro, Vettel, em quarto após a parada, e Ricciardo fechavam a lista dos cinco primeiros.

Mesmo com pneus mais novos, o alemão da Ferrari não conseguiu pressionar Verstappen. E, lá na frente, com ampla vantagem sobre o seu companheiro, Hamilton manteve a ponta com facilidade e novamente despontou como favorito para conquistar o título.

A próxima etapa da Fórmula 1 será disputada no dia 27 de maio. Será o GP de Mônaco, um dos mais tradicionais do automobilismo mundial.

Confira a classificação final do GP da Espanha:

1º – Lewis Hamilton (ING/Mercedes), 1h35min29s972

2º – Valtteri Bottas (FIN/Mercedes), a 20s593

3º – Max Verstappen (HOL/Red Bull), a 26s873

4º – Sebastian Vettel (ALE/Ferrari), a 27s584

5º – Daniel Ricciardo (AUS/Red Bull), a 50s058

6º – Kevin Magnussen (DIN/Haas), a 1 volta

7º – Carlos Sainz Jr (ESP/Renault), a 1 volta

8º – Fernando Alonso (ESP/McLaren), a 1 volta

9.º – Sergio Pérez (MEX/Force India), a 2 voltas

10.º – Charles Leclerc (MON/Sauber), a 2 voltas

11.º – Lance Stroll (CAN/Williams), a 2 voltas

12.º – Brendon Hartley (NZL/Toro Rosso), a 2 voltas

13.º – Marcus Ericsson (SUE/Sauber), a 2 voltas

14.º – Sergey Sirotkin (RUS/Williams), a 3 voltas

Não completaram a prova:

Stoffel Vandoorne (BEL/McLaren)

Esteban Ocon (FRA/Force India)

Kimi Räikkönen (FIN/Ferrari)

Romain Grosjean (FRA/Haas)

Pierre Gasly (FRA/Toro Rosso)

Nico Hülkenberg (ALE/Renault)