Dia 01 de maio de 1994. Com certeza um dos dias mais triste para a maioria dos brasileiros. Em uma curva do Circuito de Ímola, na Itália, Ayrton Senna bateu nos muros de contenção e não resistiu. Morria um dos maiores ídolos da história do Brasil. E para muitos, a Fórmula 1 perdia a graça depois disso.

Ayrton Senna era um símbolo de profissionalismo, competência, simpatia e humildade. “O fato de ser brasileiro só me enche de orgulho”, repetia o piloto tricampeão mundial. Ayrton Senna da Silva nasceu no dia 06 de março de 1960 e faleceu aos 34 anos. Muito jovem, mas deixou conquistas marcantes para o automobilismo brasileiro.

Senna estreou na Fórmula 1 em 1984, pela Toleman. De 1985 a 1987, ele correu pela Lotus e conquistou sua primeira vitória em 21 de abril de 1985, no GP de Portugal. De 1988 a 1993, Senna esteve na McLaren, onde foi campeão mundial em 1988, 1990 e 1991. Em 1994, transferiu-se para Williams, equipe em que correu até acabar falecendo há 17 anos atrás.

“Quanto mais eu me esforço, mais eu me encontro. Eu estou sempre olhando um passo à frente, um diferente mundo para entrar, lugares onde eu nunca estive antes. É muito solitário pilotar num GP, mas muito cativante. Eu senti novas sensações e eu quero mais. Essa é a minha excitação, minha motivação”, disse Ayrton Senna, um herói brasileiro, adorado até hoje até por quem nunca o viu correr.

Dia 01 de maio de 1994. Também um domingo, assim como em 2011. Um dos domingos mais tristes da história do Brasil. Um domingo em que muitos perderam a fé na Fórmula 1, pois haviam perdido um ídolo, o maior piloto brasileiro de todos os tempos. Há 17 anos, o Brasil chorava a perda de Ayrton Senna.