Por João Pedro Alves

Para que os 22 jogadores que entram em campo possam desempenhar o futebol que deles se espera, o mínimo necessário é que o gramado esteja nas condições ideais. Essa, porém, não será a realidade que Atlético e The Strongest encontrarão na Vila Capanema na noite desta quinta-feira (13), pela primeira rodada da fase de grupos da Copa Libertadores da América.

As reclamações acerca do estado do gramado do estádio paranista se tornaram recorrentes neste início de temporada e ganharam ainda mais força nas duas últimas semanas. Para o jogo entre brasileiros e bolivianos, o que se poderá ver é um campo cheio de irregularidades que dificultarão o toque de bola das duas equipes – além de aumentarem o risco de lesões.

(Foto: Monique Vilela/Banda B)

Buracos e “remendos” marcam a superfície do campo da Vila Capanema (Foto: Monique Vilela/Banda B)

Essa condição foi ressaltada por Barcímio Sicupira, o “Craque da 8”, comentarista da Rádio Banda B. “Está muito ruim, eu nunca vi esse campo tão ruim quanto estou vendo hoje. Nunca vi tanto buraco e tanta areia. Não vai ser fácil dominar e conduzir a bola”, analisou o ídolo e maior artilheiro da história do Atlético.

É válido ressaltar que o gramado da Vila Capanema já havia sido alvo de críticas de atletas e comissão técnica do Sporting Cristal na última semana, antes da partida válida pela fase pré-Libertadores.

“O gramado do Durival Britto é muito pesado. Em meio a ele tem areia e ervas daninhas, o que chama atenção pelo Brasil ser um país tão futebolístico, sede do Mundial e que privilegia a habilidade dos jogadores sobre todas as coisas. Deveria ter campos, de modo geral, respeitáveis”, apontaram os peruanos naquela oportunidade.

O jogo entre Atlético e The Strongest, válido pelo Grupo 1 da Libertadores, tem início às 20h desta quinta-feira.

Notícias relacionadas:

Antes de decisão, peruanos reclamam de má condição do gramado da Vila Capanema