O setor defensivo tem sido um dos destaques do retorno de Geninho ao comando técnico do Atlético Paranaense. Nos últimos três jogos, o Rubro-Negro sofreu apenas um gol, média de 0,33 por partida. Números que mostram a evolução atleticana nesse quesito, uma vez que a média de gols sofridos por jogo nas 11 partidas anteriores chegou a 1,81 (20 gols sofridos).

Para o zagueiro Gabriel, um dos três homens da defesa no atual esquema empenhado pelo treinador, o momento é de trabalhar para dar continuidade a esse bom momento e fazer os últimos ajustes na equipe.

“Sabemos que nós temos muitas coisas a acertar ainda. É o terceiro jogo do Geninho. Vamos dar sequência ao trabalho dele, que está sendo excelente, para que o time cada vez mais se encaixe”, falou o defensor após a vitória do Furacão, no sábado (5) contra o Arapongas, 2 a 0, em Paranavaí.

O próximo desafio do CAP é nesta quinta-feira (10), às 19h30, contra o Corinthians-PR na Arena da Baixada, pelo Estadual 2011. Se novamente não sofrer gols, a defesa atleticana dá a Geninho um novo recorde. O começo de trabalho nesta terceira passagem dele passaria a ser, isoladamente, o melhor no aspecto defensivo, com média de 0,25 gols sofridos por partida.

Em 2001, depois dos quatro primeiros jogos sob o comando do treinador, a defesa rubro-negra havia sido vazada oito vezes (média de 2,0 gols por jogo), enquanto que o Furacão de Geninho em 2008 levou cinco gols após quatro rodadas (média de 0,8 por partida).