Em um jogo marcado pelos poucos lances de perigo, o Atlético contou com a vontade para vencer o lanterna Cascavel na Arena da Baixada. Com gols marcados aos 38 – do primeiro e segundo tempo – Lucas e Adaílson, atacante que entrou no lugar de Guerrón, deram números ao placar e garantiram o resultado positivo para o Furacão. A vitória dá ao time a vice-liderança isolada do estadual e reaviva o time na briga pelo segundo turno, já que a vantagem do rival Coxa passa de oito para cinco pontos.

Jogo amarrado e Atlético em vantagem
O jogo na Arena começou com o Atlético no ataque, com Paulo Baier no comando. A primeira grande chance aconteceu aos 13 depois que o maestro bateu com perigo, Nivaldo deu rebote e Alê, na sobra, não soube aproveitar a finalização. Wagner Diniz comandou a armação do time pela lateral direita, por onde o jogo fluía mais e melhor para o rubro-negro.

No cruzamento de Madson, Guerrón também desperdiçou grande chance de dar números ao placar quando, livre, cabeceou pra fora da meta. Entre uma e outra má finalização atleticana, a Serpente levava perigo à meta de Renan Rocha. Aos 20, o goleiro do Furacão teve que trabalhar no chute forte de Gustavo. Truncado, o jogo ficou concentrado no meio campo e os poucos lances de perigo aconteciam na base da vontade. O lado esquerdo do campo foi pouco explorado pela equipe, que tentava, mas não era efetiva nos cruzamentos.

Os momentos finais da etapa complementar marcaram a queda de rendimento do Atlético, que ainda assim conseguiu marcar o seu primeiro tento na Arena. Depois de outra boa defesa de Nivaldo no chute forte de GUerrón, Paulo Baier cobrou falta na cabeça de Lucas. O atacante subiu sozinho e aproveitou a falha da zaga da Serpente, mau posicionada na linha de impedimento, para mandar a bola pro fundo das redes, aos 38. O Rubro-negro apostou o toque de bola simples, sem grandes lances de criatividade, para tentar arrematar e decidir o confronto no primeiro tempo, mas o placar seguiu sem alterações no primeiro tempo.

Queda de rendimento
A etapa complementar perdeu muito em rendimento e o Atlético já não ofereceu nenhum perigo ao visitante. O primeiro a chegar foi o Cascavel, que reclamou de pênalti na jogada idealizada por Kinho, aos 20 minutos. Pouco depois, Marco Túlio chutou em cima da defesa rubro-negra, mas Kinho não conseguiu aproveitar o rebote para empatar para a Serpente. O Atlético respondeu com a chegada perigosa de Lucas, que chutou forte, mas não conseguiu desviar a bola do goleiro Nivaldo.

Geninho sacou Robston para a entrada de Kléberson na tentativa de acelerar a meia cancha, mas o volante não fez uma boa apresentação. Não bastasse a falta de criatividade, o time ainda teve que presenciar o equívoco do árbitro Rafael Traci. Paulinho foi puxado e caiu na entrada da área, mas a marcação entendeu que a falta foi de ataque. GUerrón também saiu de campo, visivelmente chateado com a opção do treinador, para dar lugar a Adaílton, que entrou para decidir os rumos da partida.

Aos 38, o atacante passou por dos defensores e tocou por cima do goleiro Nivaldo. Um golaço que sacramentou a vitória atleticana pelo placar de 2 a 0. Lucas ainda perdeu a oportunidade de ampliar: na saída de Nivaldo, Lucas, sozinho, se precipitou e mandou pra fora. Os minutos finais foram de pressão atleticana com Paulinho que também tentou, mas foi parado pela defesa de Nivaldo. A vitória sobre o Cascavel dá ao time do técnico Geninho mais tranquilidade para a sequência do Campeonato Paranaense.