Por João Pedro Alves

A primeira jornada do Atlético fora de casa na fase de grupos da Copa Libertadores, que valia a ponta da tabela, não terminou como o esperado. Mesmo com uma atuação na maior parte do tempo segura contra o Vélez Sarsfield na noite desta terça-feira (25), o Furacão teve pouca força ofensiva e não conseguiu furar o bloqueio argentino no estádio José Amalfitani, em Buenos Aires. Melhor para os donos da casa, que foram eficientes lá na frente e venceram por 2 a 0 para assumirem a liderança isolada do Grupo 1.

Agora terceiro colocado da chave, o Atlético volta a jogar pela Libertadores daqui a duas semanas, no dia 14 de março, contra o Universitario no estádio Coloso de Ate, em Lima, no Peru. O Vélez entra em campo no dia 11, quando vai a La Paz, na Bolívia, defender a liderança contra o The Strongest.

Ouça os gols do Vélez narrados por Paulo Sérgio Debski na Banda B:

LIBERTADORES 25-02-14 – ATLETICO X VELEZ – 1 GOL TOBIO – PAULINHO LIBERTADORES 25-02-14 – ATLETICO X VELEZ – 2 GOL PRATO – PAULINHO

Em jogo equilibrado, bola parada faz a diferença para o Vélez

Uma vitória para cada lado na estreia fez com que o duelo entre Vélez Sarsfield e Atlético valesse a liderança isolada do grupo 1 da Libertadores no estádio José Amalfitani. Foi uma dose de rivalidade a mais, além do batido “Brasil x Argentina”, no encontro entre os times mais fortes da chave. E desde que a bola começou a rolar em Buenos Aires, a igualdade na tabela se transferiu também para dentro das quatro linhas.

O mando de campo, que poderia ser um fator determinante, não pesou tanto assim e o Furacão começou bem no jogo. Os portenhos até podiam estar mais postados no ataque, mas o sistema 4-5-1 implantado por Miguel Ángel Portugal impedia que uma pressão se instalasse e fez com que os atleticanos mantivessem uma posse de bola importante. Além de seguro na defesa, o time paranaense ainda pressionava a saída de bola adversária para dificultar a vida dos “fortineros”.

Uma finalização ou outra saiu dos dois lados, mas ainda sem serem resultado de um grande volume de uma das equipes. Isso durou até a marca dos 35 minutos, quando os rubro-negros deixaram o Vélez crescer e chegar com muito perigo com o “tanque” Lucas Pratto duas vezes – em uma delas, Weverton fez grande defesa no ângulo. Esse momento de superioridade não passaria em branco no placar.

O gol “meio que achado” pelos argentinos saiu quando o cronômetro marcava 37 minutos. Ele foi marcado após um cruzamento na área não foi afastado pela zaga e Tobio aproveitou para finalizar em gol. A bola ainda bateu no travessão antes de entrar.

Após a abertura do placar, houve o crescimento do empolgado Vélez Sarsfield em campo. Mais adiantado, jogando na intermediária do Atlético, o time do bairro de Liniers foi para cima. Nesta pressão, o perigoso Mauro Zárate quase ampliou a vantagem em um chute forte que passou por cima da meta, mas o primeiro tempo terminou mesmo 1 a 0 para os donos da casa.

Atlético peca na falta de criatividade e acaba sofrendo segundo gol

O resultado parcial, claro, não era nada interessante para o Atlético. A medida tomada no intervalo foi se arriscar mais ofensivamente. E ao menos nos primeiros movimentos do segundo tempo isso aconteceu, resultando em finalizações de Ederson e Mirabaje defendidas pelo goleiro Sosa. Mas o Vélez Sarsfield não deixou os brasileiros gostarem do jogo, não recuaram e ainda contra-atacaram em forma de resposta.

Essa postura velezana não impediu que o Furacão seguisse em cima e tentando pressionar para chegar ao empate. O problema era que a força de ataque dos rubro-negros não conseguia furar a defesa fechada dos argentinos. O técnico Portugal tentou solucionar isso mandando Mosquito e Bruno Mendes a campo, mas o que faltou a partir daí era um meia armador para servi-los lá na frente para algum perigo ser criado.

O que aconteceu foi que o Atlético ficava no campo de ataque e não finalizava contra a meta de Sosa. E como diz o outro, “a bola pune”. O resultado foi o segundo gol do Vélez em uma falha individual de Matías Mirabaje. Aos 33 minutos, o meia uruguaio foi sair jogando e perdeu a bola, armando o ataque do “El Fortín” que acabou com uma assistência dentro da área para Lucas Pratto, que só deu um toque para as redes.

Apenas depois disso, com uma desvantagem difícil de ser revertida, é que Adriano Imperador foi para o jogo – contrariado, diga-se de passagem. Mas aí a derrota já estava praticamente certa, ainda mais com a falta de criatividade atleticana. Em contrapartida, o Vélez não parou de atacar nos espaços dados e só não fez mais gols porque Weverton estava lá para evitar um placar mais elástico.

Com o apito final, houve a concretização da vitória por 2 a 0 do Vélez Sarsfield sobre o Atlético e da liderança isolada do Grupo 1 da Copa Libertadores.

FICHA TÉCNICA
VÉLEZ SARSFIELD 2 X 0 ATLÉTICO

Local: Estádio José Amalfitani, em Buenos Aires, na Argentina.
Data: 25 de fevereiro de 2014, terça-feira.
Horário: 19h45.

Vélez: Sebastián Sosa; Fabián Cubero, Fernando Tobio, Sebá Domínguez e Emiliano Papa; Lucas Romero, Agustín Allione, Ariel Cabral (Jorge Correa) e Héctor Canteros; Lucas Pratto (Ramiro Cáseres) e Mauro Zárate (Brian Ferreira). 
Técnico: José Oscar Flores.

Atlético: Weverton; Sueliton, Manoel, Dráusio e Natanael; Deivid, João Paulo (Bruno Mendes), Paulinho Dias e Matías Mirabaje e Fran Mérida (Mosquito); Ederson (Adriano).
Técnico: Miguel Ángel Portugal.

Cartões amarelos: Cubero, Romero (VLZ). Mirabaje (CAP).

Gols: Tobio (VLZ), aos 37 minutos do primeiro tempo. Pratto (VLZ), aos 33 minutos do segundo tempo.