O diretor de futebol do Atlético, Alfredo Ibiapina, classificou a contratação de Morro García como uma maratona. A ponte aérea Curitiba-Montevidéu surtiu efeito: na insistência, o Furacão venceu a guerra de braço com o Benfica, clube que assediou o atleta durante as negociações, e concretizou a contratação mais cara da história do futebol paranaense. Um dos entraves foi o procurador do jogador, Daniel Fonseca, que tinha a Europa como destino preferido para o atacante, artilheiro do Campeonato Uruguaio.

Greyson Assunção/Banda B
Ibiapina participou do Balanço Esportivo desta quinta-feira (25)

Em entrevista exclusiva à Rádio Banda B, Ibiapina contou que primeiro buscou contato com o Nacional, do Uruguai. Olho no olho com o jogador, já na reta final de negociações, o diretor de futebol conseguiu convencê-lo de que a proposta atleticana era mais vantajosa. “Só falei com o Morro nos últimos dois dias de negociação e enquanto isso o Benfica seguia pressionando pra contratar o jogador”, lembrou, destacando o papel importante da diretoria do clube uruguaio, que fez a ponte entre o representante do atleta e o Furacão.

Destino do clube

Quando assumiu o departamento de futebol, Alfredo Ibiapina deu uma declaração que surpreendeu muita gente. Para ele, o Atlético entraria no Brasileirão 2011 para disputar o título. Com a má fase do time, que amarga a penúltima posição do campeonato, o dirigente afirmou estar sendo questionado sobre o otimismo que apresentou no início dos trabalhos. “Estou sendo questionado se ainda acredito que o Atlético vai ser campeão brasileiro e agora acredito mais. O Atlético tem estrutura, tem um estádio lindo, uma torcida maravilhosa. Não tem porque não pensar grande aqui dentro”, reforçou Ibiapina.

A pressão contra os números desfavoráveis do técnico Adílson Batista parece vir só das arquibancadas. Com o aparente respaldo da diretoria, o treinador também teve seu trabalho elogiado pelo diretor. “Podem falar o que quiser, mas o Adilson Batista é um grande treinador e o nosso grupo tem qualidade, mas ainda não encaixou”, justificou.

Martinuccio e outras contratações

Na viagem que fez a Montevidéu, Ibiapina aproveitou para visitar Buenos Aires e iniciar pessoalmente as conversas para tentar trazer o atacante Martinuccio, vice-campeão da Libertadores pelo Peñarol. Segundo Ibiapina, o Atlético é o único clube que formalizou o interesse no jogador argentino. “É uma negociação difícil, tem clubes da Europa querendo o Martinuccio. Mas ficamos de falar disso só depois do fim da Libertadores”, explicou, sem explicitar valores, mas mostrando otimismo.

O diretor de futebol garante que a maior preocupação do clube, agora, é fazer o time tomar forma e conquistar os resultados. “Minha maior preocupação agora é fazer esse time encaixar, não adianta trazer reforços e o time não dar resultado em campo”, alertou. Ibiapina tem acompanhado a rotina de treinamentos no CT e conversado com os jogadores para avaliar os bastidores e descobrir onde está o problema do elenco. “Estamos gastando toda falta de sorte nesse começo de Brasileiro. O pessoal trabalha muito no Atlético e vamos sair dessa situação ruim”, garantiu.