Depois de conseguir absolver o Rio Branco e o Duque de Caxias – dois times denunciados por escalar jogador irregular – o advogado, Dr. Domingos Moro, sabe que o caminho para livrar o Leão da Estradinha da condenação já está praticamente trilhado. Depois de duas absolvições, o panorama é de otimismo para o time de Paranaguá.

No último julgamento, o Paraná Clube expôs a sua intenção em participar do processo como terceiro interessado, para garantir o direito de participar da ação. Domingos Moro questionou a entrada do Tricolor, que acabou aceitou pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-PR).”O que se discute no processo do Rio Branco é a suposta inscrição irregular de um atleta. A vinculação direta de um terceiro interessado não tem sentido, a não ser que fosse numa partida contra ele disputada”, aponta Moro, defendendo que o Tribunal aceitou o Tricolor no caso por pressão.

“Se o Rio Branco tiver os dois resultados favoráveis que conquistamos revertidos aqui no STJD, ninguém precisa ser o terceiro interessado”, argumenta. Sobre a entrada o Paraná Clube como terceiro interessado no caso, Moro não esconde o desapontamento. “Não há que se fazer, foi feita lá porque houve uma pressão grande. Se fosse outros, não teria ocorrido o que houve”, critica o advogado.