Divulgação/Atlético Paranaense
Meia fez o terceiro gol na goleada sobre o Dragão por 3 a 0

De opção no banco de reservas, Kléberson virou um dos pilares no meio-campo do Atlético e é uma das apostas do técnico Renato Gaúcho. Das 14 partidas disputadas pelo Furacão no Campeonato Brasileiro, o meia esteve em campo em dez oportunidades, como um dos principais nomes na marcação e criação do Rubro-negro.Com uma média de quase 15 passes certos por partida, totalizando uma média de 81% de aproveitamento, Kléberson também é referência no desarme adversário: foram 52 botes, 36 deles completos, ou com sequência da jogada.

“Graças a Deus, aos poucos a gente vai evoluindo, crescendo junto com a equipe. Eu precisava de mais otimismo, confiança”, afirmou o jogador que, de alvo de desconfiança, agora é artilheiro do grupo com dois gols, ao lado de Madson, Morro García e Manoel.Se o ataque pouco a pouco vai mostrando a que veio, mesmo com gols vindos de quem, por essência, tem a função de defender, o meia aponta o crescimento do meio campo como responsável pela mudança de postura da equipe.

“O nosso meio campo cresceu bastante. Houve crescimento de todos os jogadores, principalemente de quem entra depois, como é o caso do Branquinho, Rodriguinho e Wendel”, apontou, que está animado com desempenho do conjunto.A mudança no comando técnico parece ter, finalmente, criado um liga para o Furacão, que de talentos individuais passou a contar com um grupo mais entrosado. “Eu, até tempos atrás, estava bastante chateado, por naõ estar tendo muitas oportunidades”, revelou Kléberson, pouco utilizado pelo ex-comandante Adílson Batista. “Agora o Renato me deu essa confiança e as coisas tão acontecendo como a gente pensa”, finalizou Kléberson.