O atraso no início das obras na Arena da Baixada ligou o alerta nas autoridades locais, que já encaram como real a possibilidade de Curitiba ficar de fora da Copa do Mundo de 2014. O Atlético ainda nem realizou a licitação para escolher a construtora que vai tocar a reforma no estádio e a própria FIFA tem se incomodado com os atrasos não só na capital paranaense, como em outras sub-sedes do Brasil.

De acordo com o Secretário Estadual para Assuntos da Copa em Curitiba, Mário Celso Cunha, originalmente as obras na Arena da Baixada custariam cerca de R$ 130 milhões. O Atlético pagaria R$ 40 milhões, enquanto o resto do dinheiro (R$ 90 milhões) viria atráves de títulos do Potencial Construtivo do terreno onde fica o estádio rubro-negro e seria pago em uma parceria com a Prefeitura e o Governo do Estado.

No entanto, mudanças no projeto teriam deixado as obras no estádio ainda mais caras e o Atlético não estaria disposto a se endividar e gastar mais do que R$ 40 milhões na reforma necessária para deixar a Arena da Baixada de acordo com novas exigências do caderno de encargos da FIFA.

“Não haverá Copa sem a Arena, pois não existe tempo para a execução de um outro projeto. A preocupação é real. A orientação que temos do prefeito e do governador é a de que sejamos criativos. Temos que ter uma solução definitiva até julho, mas já há um impasse criado. O projeto encareceu por que houve aumento de preço em materiais e na mão de obra. Só em novas cadeiras retráteis, teremos de gastar mais R$ 12 milhões! Não consigo medir o prejuízo, mas ficar fora da Copa seria ruim para a cidade”, disse Mário Celso Cunha, em entrevista ao portal Lance!