Maracanã está abandonado nos últimos meses. (Divulgação)

Após a Light cortar o fornecimento de energia elétrica ao Maracanã, a Concessionária Maracanã, que administra o estádio, anunciou nesta quinta-feira que, até o dia seguinte, irá quitar um débito de R$ 1 milhões com a distribuidora de energia, referente aos meses de novembro e dezembro.

De acordo com a Light, o Comitê Rio-2016 negocia as faturas vencidas em setembro e outubro do ano passado, período em que o Maracanã esteve sob a responsabilidade da organização dos Jogos Olímpicos.

Comitê Rio-2016 e Concessionária Maracanã discutem na Justiça o que é responsabilidade de quem a partir de 1.º de novembro. Uma liminar da juíza Fernanda Lousada, da 4.ª Vara de Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro obriga o consórcio a retomar a operação e a manutenção da arena.

Por essa liminar, é do consórcio da obrigação por quitar dívidas do estádio. A concessionária pensa diferente e bate na tecla de que no Termo de Autorização de Uso, documento que disciplinou o uso do complexo durante o chamado período olímpico, a obrigação pelos reparos, bem como das contas públicas, é de responsabilidade do Comitê Rio-2016.

“De acordo com o TAU, o comitê deve permanecer à frente do complexo até que todos os reparos, assim como débitos, sejam realizados”, lembra a concessionária, que apela contra a liminar para devolver o estádio ao Rio-2016 até que este realize todos os reparos e pague as dívidas que assumiu.