A delegação paranista já está em Santa Catarina, onde enfrenta o Criciúma amanhã, a partir das 16h20, pela 12ª rodada da Série B. Para esta partida, o técnico Roberto Fonseca mexe em algumas peças da equipe, já que o zagueiro Amarildo e o meia Wellington serão poupados por estarem com fadiga muscular.

A ideia da comissão técnica é evitar que esses dois atletas, titulares absolutos do Tricolor, acabem sofrendo alguma lesão mais grave, já que vinham em um ritmo muito forte de jogos no campeonato. Ambos ficaram em Curitiba e devem voltar ao time na partida da próxima terça-feira, contra a Ponte Preta, um concorrente direto na briga pelo retorno à primeira divisão do futebol brasileiro.

Fonseca não faz mistério na escalação que vai mandar à campo neste sábado. A equipe vai jogar no 3-5-2, com possibilidade de variar para um 4-4-2 no decorrer da partida. O trio de zaga será formado por Cris, Brinner e Luciano Castán, este último podendo fazer também a função de lateral esquerdo, liberando Lima para atacar. O volante Cambará será o substituto de Wellington e o grande responsável pela armação de jogadas, como explica o próprio treinador.

“Com a ausência do Wellington, a gente preferiu deixar a articulação mais para o Cambará, ali pelo lado direito. O Cambará já fez essa articulação de jogadas em outros clubes e já fez isso no Paraná, no jogo contra o Duque de Caxias. E ele fará isso com a ajuda do Lima. Eu tenho certeza que vai dar certo”, afirmou Fonseca, que nesta sexta-feira pela manhã comandou o último treinamento do Tricolor, já em solo catarinense.

O treinador explicou porque optou por um volante para armar as jogadas ao invés de escalar atletas mais ofensivos, como Roni Dias ou Oliveira. “Nós optamos por jogadores que vem atuando mais. Se eu optasse por colocar o Roni Dias ou Oliveira, eu não sei quanto tempo eles aguentariam e qual seria a resposta. Então eu preferi colocar jogadores que eu sei o que podem fazer em campo, porque eles vêm jogando com mais frequência e já tem ritmo de jogo”, explicou.

Sendo assim, o Paraná está pronto para enfrentar o Criciúma e vai à campo com Zé Carlos; Cris, Brinner e Luciano Castán; Lisa, Júnior Urso, Éverton Garroni, Cambará e Lima; Jefferson Maranhão e Giancarlo.

Criciúma

A equipe catarinense vem de derrota po 2 a 1 para o Salgueiro, na última rodada da Série B, e deve enfrentar o Tricolor com algumas mudanças:Massari, Roni, Bruno Meneghel e Zé Carlos devem ser titulares, substituindo Pirão, Mateus, Diogo Oliveira e Schwenck, respectivamente. A tendência é que o técnico Guto Ferreira mande à campoAndrey; Fabinho Capixaba, Rogélio, Anderson Conceição e Massari; Jackson, Baraka, Roni e Aloísio; Bruno Meneghel e Zé Carlos.

“Acompanhei o Paraná. É um adversário difícil.Queremos aproveitar o apoio do torcedor e, por isso, convoco a torcida para o jogo”, disse o lateral esquerdo Massari, que deve estrear pelo Cricíuma no duelo deste sábado. Mas o retrospecto do Tigre jogando contra o Tricolor não é nada animador para a torcida catarinense: São 19 partidas até hoje, com 11 vitórias do Tricolor, dois empates e apenas seis vitórias do Criciúma.