Bayern fez 10 a 2 no agregado contra o Arsenal. (Reprodução/Twitter/Bayern de Munique)

A sensação de que o Bayern de Munique havia matado o confronto contra o Arsenal ao fazer 5 a 1 no jogo de ida se transformou em fato concreto nesta terça-feira. Como já se imaginava, o time inglês não teve condições de reagir. Até abriu 1 a 0, mas acabou levando outra goleada humilhante, novamente por 5 a 1.

Verdade seja dita: o resultado desta vez foi injusto. O Arsenal mandou na partida até os 8 minutos do segundo tempo, quando já merecia o segundo gol. O árbitro grego Tasos Sidiropoulos, porém, marcou polêmico pênalti de Koscielny sobre Lewandowski. Deu o amarelo para o zagueiro francês, que reclamou e acabou levando o vermelho.

De uma hora para outra, por conta de uma trombada de jogo, o Arsenal se viu precisando de quatro gols e com um jogador a menos. Os jogadores do time inglês sentiram a pressão e acabaram se tornando um saco de pancadas luxuoso para o time de Carlo Ancelotti.

Antes a partida, nem a torcida do Arsenal acreditava em uma virada, tanto que o pré-jogo foi marcado por um barulhento protesto de torcedores do clube inglês a favor da saída de Arsène Wenger, que comanda o time desde 1996 e balança como nunca. O contrato dele vai até o fim da atual temporada e pode não ser renovado.

O principal argumento contra ele é que o Arsenal nada, nada, e morre na praia. Desde a temporada 1998/99 a equipe participa da Liga dos Campeões, tendo chegado só uma vez à final. Já são incríveis sete eliminações seguidas nas oitavas de final, contando essa contra o Bayern.

O Arsenal, aliás, é um freguês de carteirinha do Bayern. De 2005 para cá, esta é a quarta vez que os clubes se enfrentam nas oitavas de final da Liga dos Campeões e em todas os alemães levaram a melhor.

Real Madrid vira sobre o Napoli e também se classifica

Já o Real Madrid recorreu novamente a Sergio Ramos em momentos difíceis e decisivos nos últimos anos, e nesta terça-feira não foi diferente. Depois de sair atrás do Napoli e ver a vaga para as quartas de final da Liga dos Campeões ficar ameaçada, os espanhóis contaram com seu “zagueiro-artilheiro” para virar o placar, vencer por 3 a 1 e confirmar a classificação em pleno Estádio San Paolo.

Não foram poucas as aparições de Sergio Ramos no ataque em momentos decisivos nos últimos anos. Nesta terça, ele marcou o primeiro gol do Real e cabeceou a bola que foi desviada por Mertens no segundo – posteriormente, a Uefa confirmou gol contra do belga. São nove gols para o zagueiro somente nesta temporada e 67 com a camisa madrilenha.

Apesar da vitória, o Real chegou a ter a classificação colocada em risco após um ótimo primeiro tempo do Napoli, que saiu na frente. Mas o time espanhol se aproveitou da vantagem obtida com o triunfo por 3 a 1 na ida, no Santiago Bernabéu, voltou mais calmo para a etapa final e definiu a virada com a estrela de seu capitão.

Os madrilenhos também chegaram à incrível marca de 47 partidas consecutivas com ao menos um gol marcado, prova do poderio ofensivo dos comandados de Zinedine Zidane. Embalado, o Real volta a campo no domingo para encarar o Betis, em casa, pelo Campeonato Espanhol. Já o Napoli tentará se recuperar ao receber o Crotone, no mesmo dia, pelo Italiano.