As dificuldades na finalização impediram que o Coritiba trouxesse um resultado melhor na bagagem de volta à Curitiba. Solto no primeiro tempo, o Alviverde jogou de igual pra igual com o time carioca, mas perdeu por 1 a 0 o seu primeiro compromisso na final da Copa do Brasil. Disposto a resolver, o Vasco marcou logo no início do segundo tempo com Alecsandro e o Coxa, ainda que tivesse grande posse de bola, não conseguiu furar o bloqueio do time cruzmaltino. Bill, isolado dos meias e do companheiro de ataque, Anderson Aquino, pouco conseguiu fazer em São Januário.

A decisão fica para o Couto Pereira que deve ter lotação máxima na próxima quarta-feira (08), às 21h50. Os ingressos para arquibancada e cadeiras inferiores e superiores já estão esgotados e a venda de entradas – apenas para a Mauá – começam nesta quinta-feira (02), às 10h. O Vasco joga por um empate para levantar o caneco de Campeão da Copa do Brasil e conquistar uma vaga na Libertadores da América.

Marcação firme
Ciente da importância de acalmar os ânimos do Vasco, que jogava diante da sua torcida, o Coritiba tratou de se antecipar na marcação e se colocou firme na saída de bola carioca. Solto em campo, o Verdão parecia não sentir a pressão do jogo e nos primeiros minutos de jogo, se articulou com velocidade, embora ainda enfrentasse dificuldades diante da meta de Fernando Prass.

Terra Esportes
Diegou Souza foi o destaque do jogo e conduziu o Vasco ao ataque

No ataque, o Vasco partia e abria espaços para o contrataque coxa-branca, mas a finalização do Alviverde impedia que o gol saísse e as chances perdidas passaram a incomodar a torcida, presente em grande número em Sâo Januário. O tempo passou e o Coritiba também cedeu espaços para o que o meio campo vascaíno criasse e seguisse em busca do gol. No meio campo, o Coritiba sofria com a falta de referência e com a atuação discreta de Rafinha, que pouco apareceu. No ataque, Bill sofreu com a distância de Anderson Aquino e teve dificuldades para dominar e finalizar com qualidade.

O destaque foi Diego Souza que, com a bola no pé, infernizava a zaga do Alviverde e assustava o goleiro Edson Bastos. O time da casa carecia dos mesmos defeitos que o visitante paranaense: a pontaria. A etapa inicial terminou depois de uma boa jogada de ataque do Coritiba entre Bill e Jonas, mas o placar seguiu fechado.

Insuficiência no ataque
O segundo tempo começou do jeito que a torcida vascaína gostaria: aos 5, Alan cruzou para Alecsandro que saiu bem da marcação e mandou pro fundo das redes. Na comemoração, o jogador reproduziu a careta que caracterizou seu pai, Lela, Campeão Brasileiro pelo Coritiba. O gol desorganizou o Coxa e os erros de passe comprometeram a criação na meia cancha. No domínio das ações, o Alviverde não funcionava no ataque: Bill seguia disputando as bolas no corpo a corpo.

Marcelo Oliveira mexeu por atacado no time e sacou Bill, Davi e Anderson Aquino para as entradas de Leonardo, Geraldo e Marcos Paulo, respectivamente. No fim da partida, o vasco ainda teve uma grande oportunidade na cobrança de falta colocada de Bernardo. No apagar das luzes, Rafinha fez uma grande jogada pela direita e Emerson desperdiçou uma chance inacreditável de empatar a partida. A expectativa fica para o jogo de volta, que acontece no Couto Pereira, na próxima quarta-feira (08), às 21h50. Anderson Aquino, que tomou o terceiro cartão amarelo, está fora da finalíssima.