A segunda-feira foi de reuniões para a diretoria do Paraná Clube. Entre os que estiveram presentes para definir as novas diretrizes na administração do clube, o presidente Aramis Tissot antecipou algumas das mudanças previstas para o Tricolor. Entre elas, a permanência do vice-presidente de futebol Paulo César Silva, o Paulão, que deve ficar no clube de maneira voluntária – sem reumuneração. “Esse momento é de nós nos abraçarmos e fazermos um trabalho pelo Paraná. Vamos largar de picuinha, dessas bobagens, esse não é o momento”, desabafa.

Outro ponto abordado pelo dirigente foi o foco do clube no departamento de futebol. Ele explica que a administração será compartilhada, sendo o objetivo principal pautado pelo fortalecimento do elenco para a distputa da Série B do Brasileiro. “Eu vou ficar mais voltado pro futebol, porque nós temos que dar uma cara nova pro futebol e vamos tentar isso”, garante.

Tissot lamentou a opção do clube em montar uma equipe mais fraca tecnicamente para guardar recursos e investir no elenco que irá disputar a Segunda Divisão. “Se nós não tivermos dinheiro, não fazemos futebol. Vamos recuperar a imagem do Paraná não só em Curitiba, mas no Brasil”, promete o presidente, contando que, nesta terça-feira, o elenco tricolor passará por uma avaliação para que, só então, os reforços comecem a ser buscados.

Em busca de soluções

Um pedido do presidente do clube chamou a atenção. Ele solicitou que o time não fosse um alvo tão intenso de críticas. “O Paraná sofreu muito nos últimos dias com críticas que denegriram o clube e muitas das críticas foram injustas”, reclama, ao destacar o seu sacrifício frente à administração tricolor. “Eu quero sacrifiício de todos, da torcida, principalmente. Nós precisamos da Fúria: vamos nos dar as mãos pelo futuro do Paraná”, surpreende.