Neste domingo (13), Atlético e Coritiba decidem o Campeonato Paranaense. Após o empate entre 2 a 2 na primeira partida, o time que vencer levantará a taça. Para isso, as equipes deverão poder contar com seus principais jogadores, Guerrón, do Furacão, e Rafinha, do Coxa.

Mais certeza de Guerron do que Rafinha, que ainda precisa de uma última avaliação médica para entrar em campo.

Guerrón de volta após a suspensão

Pelo lado Rubro-negro, o decisivo atacante Guerrón acabou expulso no Atletiba do segundo turno e pegou gancho de dois jogos, sendo impedido de participar da partida de ida da decisão.

O atacante é o artilheiro do Furacão na temporada, e ostenta também o título de artilheiro da Copa do Brasil, até o momento, com 7 gols em 6 jogos.

O equatoriano comandou a vitória por 2 a 1 contra o Cruzeiro, pela Copa do Brasil, na quarta-feira (09), marcando o primeiro gol atleticano e dando passe para o segundo, anotado por Martin Ligüera.

O atacante marcou o seu primeiro gol no clássico no último jogo do Campeonato Brasileiro de 2011, que o Atlético acabou com o jejum de vitórias contra o Coxa e bateu o rival por 1 a 0.

Apesar dos bons jogos que Guerrón vem fazendo, é a chance de conquistar o seu primeiro título com a camisa Rubro-negra. Ele chegou no Furacão para a disputa do Campeonato Brasileiro de 2010.

Rafinha se recupera de lesão e vai para o campo

O meia Rafinha, o jogador mais importante do Coritiba desde 2010, quando chegou no clube, teve de ser substituído no Atletiba do segundo turno com uma lesão no tornozelo e desde então, não atua.

Apesar de depender de um exame para verificar se terá condições de jogo, a torcida pode ficar animada, pois Rafinha já treinou com bola e tem grandes chances de participar da partida.

O dono da camisa 7 do Verdão tem um histórico de dribles invejáveis que deixam seus adversários no chão, mas nunca marcou gol em um Atletiba, e inclusive já pediu dicas ao amigo e ex-companheiro de clube, Marcos Aurélio, de como balançar as redes no clássico.

Desde que chegou ao Alviverde do Alto da Glória, o meia participou de 9 clássicos contra o arqui-rival, tendo 4 vitórias, 4 empates e apenas uma derrota.

Em mais de dois anos de clube, Rafinha já venceu o Campeonato Paranaense de 2010 e o de 2011, o Campeonato Brasileiro da Série B de 2010, e um espaço no livro dos recordes, após ter ajudado o Coxa à vencer 24 partidas consecutivas.