Por Felipe Ribeiro

Após derrota do Esporte Clube Sergipe por 4×3 para o Grêmio Recreativo Ipiranga em jogo válido pela série B do Campeonato Amador de Curitiba, o árbitro Eduardo da Silva Silveira foi espancado por pelo menos quatro jogadores do time perdedor. A situação aconteceu no último sábado (10), no Estádio Elba De Padua Lima, no bairro Capão Raso, e o Siate precisou ser chamado para atender o profissional.

arbitroagredido

Foto: Colaboração

De acordo com a Associação Profissional dos Árbitros de Futebol (Apaf), Silveira foi agredido por “indivíduos denominados atletas” do Sergipe. “Após o término da partida, vários jogadores da equipe Esporte Clube Sergipe foram em direção ao árbitro pressioná-lo. Neste momento o árbitro foi agredido com uma cabeçada no rosto e um soco no olho fazendo-o cair no chão. Mesmo caído, os agressores desencadearam diversos chutes atingindo costas, pernas e rosto. Os demais integrantes da equipe de arbitragem, assim como outros companheiros árbitros que se encontravam no campo socorreram Eduardo e chamaram o Siate” diante a gravidade das lesões”, informou nota da entidade.

O presidente da Apaf, Adriano Milczvski, explicou à Banda B que a entidade ainda não sabe exatamente os motivos da agressão, mas que já entrou com ações jurídicas contra os envolvidos. “Ele já registrou boletim de ocorrência e felizmente está bem. Fez exames e, graças a Deus, não foi atestado nada mais grave”, disse.

Vencedor do confronto, o Ipiranga também lamentou o episódio em rede social. “Infelizmente temos que citar que ao final do jogo, o árbitro da partida foi agredido por atletas da equipe adversária, que descontentes com o resultado do jogo, covardemente iniciaram cenas lamentáveis! Fica aqui o repúdio a essas situações, reiterando que o Ipiranga agiu com todas as cautelas necessárias e pertinentes a coibir agressões, como o deslocamento da polícia via ofício, portões de acesso ao gramado devidamente trancados impedindo torcedores a entrar no local da partida, mas fica de mãos atadas quando o próprio atleta do time adversário, toma atitude desproporcional ao jogo”, descreveu.

A reportagem entrou em contato com a presidência do Esporte Clube Sergipe e conseguiu um contato inicial. No retorno, porém, ninguém mais atendeu às ligações. A Banda B também tentou contato com a Federação Paranaense de Futebol, que organiza o torneio, mas não obteve sucesso.