Depois de quitar a grande dívida com o INSS, a Federação Paranaense de Futebol (FPF) conseguiu cancelar o segundo leilão do Pinheirão, que seria realizado nesta quinta-feira, e agora pode negociar a venda do estádio diretamente com os interessados. O leilão era a única forma da FPF pagar à vista a dívida com o INSS, que não aceitava o parcelamento desse valor.

Quitado o débito com o INSS (maior credor da Federação), com recursos próprios segundo o presidente Hélio Cury, a entidade agora passa a estudar as propostas para a venda do Pinheirão. Cury disse que correu atrás para cancelar o leilão e evitar que o estádio fosse vendido por um valor inferior ao que ele vale, aproximadamente R$ 66 milhões.No primeiro leilão, não houve comprador, e no segundo leilão, o estádio poderia ser vendido pela metade do valor inicial.

“A Federação buscou recursos próprios e conseguimos quitar as dívidas. Já tivemos o primeiro leilão e não houve comprador. Teríamos um segundo leilão com um valor inferior aos R$ 66 milhões iniciais, em torno da metade desse valor. Isso traria um grande prejuízo para o futebol paranaense, a Federação não conseguiria pagar suas dívidas e ficaríamos com as dívidas e sem patrimônio. Eu procurei me precaver e pagar as dívidas com o INSS na véspera do leilão. Assim a juíza cancelou o leilão do Pinheirão”, explicou o presidente, em entrevista exclusiva à rádio Banda B.

De acordo com Cury, a FPF vai voltar a ouvir propostas para a compra do Pinheirão a partir da próxima segunda-feira.”Como nós conseguimos cancelar o leilão, retomamos segunda-feira as conversas com os interessados para resolver essa venda o mais rápido possível. O momento agora é de conversas entre as construtoras interessadas e a Federação, sem coadjuvantes interferindo”, completou o presidente.

Sendo assim, as propostas a serem estudadas pela Federação serão apenas de construtoras, com recursos para a compra do terreno.”Nós já conversamos com muita gente, e vários não tinham nada a ver com a história. Agora o papo é com as construtoras, porque a Federação vai tratar de fazer o melhor negócio possível, para quitar suas dívidas e iniciar 2012 sem dever nada pra ninguém”, disse Hélio Cury.

A OAS, construtora baiana, tem interesse em comprar o Pinheirão, onde deve construir um novo estádio para o Coritiba. A diretoria do Verdão não confirma esta informação, mas admite que houve sondagens de um grupo de empresários, mas que o negócio ainda não foi fechado.