Entre domingo e segunda vivemos momentos bastante conflitantes: muita emoção e algumas decepções. Se o domingo do judô foi de seca, a segunda foi dourada. Rafaela Silva foi perfeita e de wazari em wazari conquistou a sonhada medalha de ouro. No vôlei de praia já perdemos uma com cada dupla masculina, mas as mulheres estão 100%. Na quadra, só vitórias. Handebol ganhou com meninos e meninas. Basquete perdeu com ambos. E o futebol masculino empatou de novo.

Rapaziada desafinada

O futebol masculino empatou mais uma: 0 a 0, dessa vez contra o Iraque. Correu muito e produziu pouco. O jogo foi mais individual que coletivo, e as poucas chances foram desperdiçadas. Dessa vez foi o experiente Renato Augusto que perdeu gol sem goleiro. O trio de ataque não se encontrou, e sobrou principalmente para Neymar, muito cobrado pela galera.
Com o frustrante empate, a equipe saiu de fininho, não deu entrevistas, e despertou a ira de alguns da imprensa esportiva. Errado o ato de não falar nada, pois quando se fala, se fala para o público, para o torcedor, e não para a imprensa. Mas também acho que aconteceu muito exagero na cobrança sobre os atletas. Em meio a vários ex-atletas de futebol, que crucificavam todos os jogadores pelo empate, aparece o Guga, no alto de sua sabedoria, e cobra deles sim que falem, que assumam que não conseguiram o resultado desejado, que podem render mais, mas que o esporte é feito de vitórias e derrotas. Que o importante é se reerguer depois das derrotas e retornar forte em busca de sucessos.
Acho injusto se colocar sobre todos os atletas a carga do momento ruim do futebol brasileiro. Alguns são meninos que pela primeira vez vivem essa experiência, e não devem carregar esse fardo. O futebol precisa se reinventar sim, mas não são esses jovens (maioria da seleção olímpica) que devem ser responsabilizados por nossas mazelas.
O Brasil ainda depende apenas de si para buscar a medalha de ouro. E ainda acredito que esses mesmos jogadores possam apresentar um desempenho mais próximo da possibilidade de cada um. E sendo assim, terão muita chance de passar de fase e continuar em busca do sonho olímpico.
Meninas buscam hoje sacramentar a classificação
Hoje a noite, as 22h, o futebol feminino busca pelo menos um empate contra a África do Sul, em Manaus, para passar de fase em primeiro lugar. Meninada vem jogando muito e deve cumprir esse objetivo de classificar em primeiro. O time deve entrar diferente, pois Vadão acena com a possibilidade de poupar algumas atletas. Estaremos atentos na telinha.

Rafaela é ouro

O judô brasileiro não passa em branco. Rafaela Silva venceu todas as lutas, e levou o ouro ontem. Guerreira e determinada, ganhou todas com wazaris (golpe quase perfeito). Em Londres se frustrou ao ser eliminada por um golpe ilegal, e sofrer com o preconceito pelas redes sociais. Hoje comemora a conquista. Superação e dedicação da Rafa.

Voleibol de quadra segue esmerilhando

As meninas atropelaram a Argentina ontem a noite. 3 a 0 e um passeio. Seguem firmes as meninas em busca do tri. Agora vêm as adversárias mais difíceis da chave, mas a equipe parece sólida e tranquila. Vem coisa boa pela frente.
O masculino perdeu um set para o México na estreia. Mas sempre é duro iniciar em uma competição. Hoje encara o Canadá. Muitos acham moleza. Mas os canadenses enfiaram 3 a 0 nos Estados Unidos na estreia. E os EUA são favoritos ao ouro. Bernardinho já declarou em entrevista recente que imagina o Canadá brigando por medalhas. Vale a pena ficar esperto. Jogaço no final da noite.
E segue o baile.